sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Edgar Allan Poe

Edgar Allan Poe
1809 - Em 19 de janeiro nasce em Boston, nos Estados Unidos, Edgar Poe.
1811 - Em 8 de dezembro fica órfão de mãe.
1812 - Edgar é batizado como Edgar Allan Poe.
1814 - Com cinco anos Edgar começa a frequentar a escola.
1815 - Em 22 de junho John e Frances, com Edgar e a irmã de Frances, Ann Moore Valentine partem para a Inglaterra.
1820 - Em 22 de julho a família retorna à América.
1826 - Em fevereiro Edgar ingressa na Universidade da Virgínia, em Charlottesville.
1827 - Em março Edgar vai embora de casa. Publica, em Boston, seu primeiro livro, Tamerlão e Outros Poemas.
1829 - Em 28 de fevereiro morre a mãe adotiva de Edgar. Em dezembro é publicado seu segundo livro, Al Aaraaf, Tamerlão e Poesias Menores.
1830 - Em outubro John Allan se casa com Louisa Patterson, com quem teria três filhos.
1831 - O livro Poemas é publicado em Nova York. Em agosto morre em Baltimore o irmão de Edgar, Henry, provavelmente de tuberculose ou de cólera.
1833 - Em março Edgar recebe um prêmio de 50 dólares do The Saturday Visitor, de Baltimore, pelo conto Manuscrito Encontrado numa Garrafa.
1834 - Em março, em Richmond, morre Johnn Allan.
1836 - Em 16 de maio, com 27 anos, Edgar se casa com sua prima Vigília, de treze.
1838 - Em fevereiro Poe e a família mudam-se para a Filadélfia. Em julho é publicada A Narrativa de Arthur Gordon Pym.
1839-41 - Publica A Queda da Casa de Usher, Contos do Grotesco e do Arabesco e Os Crimes da Rua Morgue.
1843 - Em junho Poe ganha do Dollar Newspaper um prêmio de 100 dólares pelo conto O Escaravelho de Ouro.
1844 - Em outubro Poe e a família mudam-se para nova York.
1845 - Torna-se editor do The Broadway Journal. O Corvo é publicado no Evening Mirror. Contos e O Corvo e Outros Poemas são publicados em Nova York.
1846 - Em janeiro o The Broadway Journal encerra suas atividades. Em maio Poe muda-se com a família para Fordham, Nova York.
1847 - Em 30 de janeiro, em Fordham, Virgínia Poe morre de tuberculose.
1849 - Poe volta a Richmond e reencontra Elmira, agora viúva. Em 27 de setembro deixa Richmond com destino a Baltimore. Em 7 de outubro morre em Baltimore, no Hospital Universitário de Washington. No dia seguinte é sepultado no mausoléu do avô, no cemitério da Igreja Presbiteriana de Westminster, em Baltimore, Maryland. Charles Baudelaire publica Contos do Grotesco e do Arabesco na França, com o nome de Histórias Extraordinárias (*).


Histórias Extraordinárias
Em 1849 Baudelaire publicou na Frnaça Contos do Grotesdo e do Arabesco, de Alla Poe, com o título Histórias Extraordinárias. Trata-se de um conjunto de textos - como A Queda da Casa de Usher, O Barril de Amontilado, O Gato Preto, Os Crimes da Rua Morgue, dentre outros - nos quais, com extrema habilidade, Poe enfoca o fantástico e o sobrenatural com descrições minuciosas, conduzindo o leitor a um mundo noturno, enigmático, neurótico e de terror.




Segundo filho de um casal de atores itinerantes fracassados - David Poe Jr. e Elisabeth Arnold Hopkins -, Edgar Poe nasceu em 19 de janeiro de 1809, em Boston, onde os pais trabalhavam à época. Edgar, contudo, sempre considerou Richmond, capital da Virgínia, sua cidade natal. Foi onde passou a maior parte da infância e a juventude. Após a morte da mãe, Poe, com três anos incompletos, e sua irmã Rosalie, de onze meses, foram adotados por duas famílias de Richmond - Poe foi levado para a casa da John e Frances Valentine Allan, e Rosalie para a de William e Jane Scott MacKenzie. O irmão mais velho, Henry, ficou em Baltimore com os avós.

John Allan era sócio de uma tabacaria, e na época a família vivia num apartamento na sobreloja do estabelecimento.

Em 1815 Allan Poe viajou com os pais de criação e a tia, irmã de Frances, para a Inglaterra, onde viveu até 1820. De volta aos Estados Unidos, JOhn Allan comprou uma bela casa na Virgínia, onde Edgar morou até ingressar na universidade, em 1826. Do outro lado da rua morava a família Royster e sua filha Elmira, que se tornou a namorada de adolescência de Edgar. Mas, devido à desaprovação dos pais de Elmira, o relacionamento com Poe foi rompido, e ela casou-se com Alexander Shelton, que os pais consideravam melhor partido.

Na Universidade de Virgínia Allan Poe estudou francês, espanhol, italiano, latim e grego. Viciado em jogo, desentendeu-se com o pai adotivo por causa de uma dívida de 2 mil dólares contraída na universidade. Mesmo tendo quase certeza de que fora trapaceado, Edgar insistia em pagar a dívida mas John recusou-se a ajudá-lo. Edgar então abandonou os estudos e saiu da casa dos pais adotivos e da cidade de Richmond. Viajou para Boston e alistou-se no exército, de onde mais tarde seria expulso por indisciplina.

Foi em Boston que, em 1827, publicou seu primeiro livro, Tamerlão e Outros Poemas. Sua poesia refletia os conflitos com os pais de criação e provavelmente foram escritos, pelo menos em parte, ainda na Virgínia.

No dia 28 de fevereiro de 1829, Frances, a mãe adotiva de Edgar, morreu em Richmond. Ele obteve autorização para afastar-se do posto, mas não conseguiu chegar a tempo para o enterro.
Depois de servir durante dois anos no exército, por alguns meses na Academia Militar de West Point e da publicação de um segundo livro de poesias, Al Aaraaf, Tamerlão e Poesias Menores, Allan Poe mudou-se para a cidade de Baltimore.

Em 1831 publicou Poemas, e em 1833 ganhou o primeiro prêmio num concurso literário com o conto Manuscrito Encontrado numa Garrafa. O êxito no concurso rendeu a Poe um prêmio de 50 dólares e garantiu-lhe a oportunidade de emprego que o levaria de volta a Richmond, em dezembro de 1835, como redator e editor da revista Southern Literary Messenger, onde trabalharia até 1837, escrevendo análises literárias de obras e recebendo tanto elogios quanto críticas por seus comentários francos. Nesse período publicou vários de seus próprios poemas e histórias.

Edgar morava em uma pensão com sua tia viúva Maria Clemm, o filho dela e a filha, Virgínia, com quem se casou em 16 de maio de 1836. Eles se uniram clandestinamente, tendo apenas Maria Clemm como testemunha, uma vez que os parentes haviam se mostrado contrários ao casamento. Na certidão emitida pelo cartório de Richmond, a idade de Virgínia era de 21 anos, mas na verdade ainda não tinha completado catorze. Após uma cerimônia simples, o casal viajou em lua-de-mel para Petersburg, cidade ao sul de Richmond, onde se hospedaram na casa de Hiram Haines, editor de um jornal local.

Enquanto trabalhava na Southern Literary Messenger, Poe começou a escrever seu único romance, A Narrativa de Arthur Gordon Pym. A primeira parte do romance foi publicada na revista e garantiu a Poe o reconhecimento do público como crítico, poeta e escritor. Mas, com problema de alcoolismo, Poe deixou o emprego na revista. Em 1837 passou a morar em Nova York, e em 1838 partiu para a Filadélfia. Sustentava-se realizando serviços editoriais para publicações como Burton´s Gentleman´s Magazine, Graham´s Magazine, New York Evening Mirror e The Broadway Journal.

Em 1839 escreveu A Queda da Casa de Usher e Contos do Grotesco e do Arabesco. No ano seginte publicou Os Crimes da Rua Morgue, seu primeiro conto policial. Durante o período em que Poe trabalhou na Graham´s Magazine, a circulação da revista aumentou de 5000 para 37000 assinaturas, tornando-se de longe o periódico mais popular da época.

Em março de 1842 Poe encontrou-se com o escritor inglês Charles Dickens na Filadélfia. No ano anterior Dickens ficara impressionado com a perspicácia de Poe, que advinhou o final da história de Barnaby Rudge, de sua autoria, - publicado em capítulos no jornal Saturday Everning Post - depois de analisá-la. Dickens comprometeu-se a encontrar uma editora inglesa para publicar Contos do Grotesco e do Arabesco, embora nada de concreto tenha resultado da promessa.

Edgar tentou publicar seu próprio periódico, mas não obteve apoio nem verba. Em 4 de março de 1843 o Saturday Courier da Filadélfia publicou um artigo autobiográfico de Poe, repleto de informações distorcidas, presumidamente fornecidas pelo próprio escritor. E foi a partir daí que a imagem pública de Poe começou a se estabelecer.

Em junho de 1843 o Dollar Newspaper da Filadélfia publicou o conto O Escaravelho de Ouro, que rendeu a Poe um prêmio de 100 dólares. O sucesso foi tão grande que uma segunda edição do jornal foi publicada. Além do prêmio em dinheiro, Poe recebeu uma significativa projeção nacional e internacional. Algumas de suas obras começaram a ser adaptadas para o teatro e traduzidas para o francês.

Em novembro desse mesmo ano Poe deu uma palestra sobre poesia americana, na Filadélfia. A platéia ficou lotada, e as críticas foram favoráveis. Isso o incentivou a fazer outras palestras, entre as quais "Os Poetas e a Poesia da América", "O Princípio Poético" e "O Universo". Em fevereiro de 1845 Poe tornou-se um dos editores do The Broadway Journal. Em julho passou a ser o único editor e em outubro tornou-se o único proprietário do periódico. Finalmente Poe conseguira: era dono de uma publicação, mas que operava perigosamente no vermelho. No ano seguinte, afundado em dívidas, o The Broadway Journal encerrou suas atividades. Em maio Poe mudou-se com a família para um chalé em Fordham, New Yoork.

A dependência do álcool foi a perdição de Allan Poe. Seu talento era imenso, e ele tinha contatos influentes e boa oportunidades. Alguns amigos de Washington conseguiram uma audiência na Casa Branca para levar adiante seu tão sonhado projeto de lançar uma revista, que até já tinha título - The Stylus. Mas quando ele se apresentou, visivelmente embriagado nem mesmo seu melhor amigo, o escritor e político F.W.Thomas,  pode fazer alguma coisa para ajudá-lo. Daí por diante, a sorte o abandonou.

Com o agravamento do estado de saúde da esposa acometida de tuberculose, Poe passou a recorrer à bebida com mais frequência. Virgínia morreu em 30 de janeiro de 1847. No ano seguinte Poe escreveu A Balela do Balão e publica O Corvo, conto que o tornou famoso nos Estados Unidos e na Europa.

Inspirado em uma de suas palestras - "O Universo" -, escreveu o livro Eureka, um extenso "poema em prosa", de teor semicientífico e metafísico, publicado em março de 1848. Essa foi a décima e última obra do poeta publicada em vida. De volta a Richmond em 1849, retornou o contato com a namorada da adolescência, Elmira. Mas a morte da esposa o deixara profundamente abalado, e ele nunca se recuperaria do golpe. Sua saúde se deteriorava cada vez mais, e quem lhe dava assistência era a tia e sogra, Maria Clemm.

O fim da vida de Poe foi marcado pela publicação de alguns de seus mais notáveis poemas - Os Sinos, Ulalume, Annabel Lee e outros - e por seu deslumbramento com várias mulheres.

Edgar Allan Poe virtualmente criou a história de detetive e aperfeiçoou o gênero de suspense.
Também escreveu alguns dos mais importantes textos críticos de sua época - citações teóricas sobre poesia e conto -, e sua influência na literatura mundial é extensa.

Alguns de seus poemas se destacam pela construção literária impecável, pelos temas sombrios de morte, melancolia, crueldade, tortura culpa e vingança, pelos cenários lúgubres e pela extraordinária manipulação da métrica e do ritmo, que por vezes chegam a reproduzir sons e estados de espírito.

Allan Poe influenciou poetas e escritores modernos entre os quais, certamente, Sir Arthur Conan Doyle - criador do personagem Sherlock Holmes e seu assistente Watson - , cujo estilo e estrutura são muito semelhantes às histórias de detetive de Poe.

As circunstâncias da morte do escritor Poe permanecem um mistério. Após uma visita a Norfolk e Richmond para dar algumas palestras, ele foi encontrado inconsciente numa rua de Baltimore, em 3 de outubro de 1849, e levado a um hospital, onde ficou internado por quatro dias, com febre alta, tremores e delírios. Morreu no dia 7 de outubro. Edema cerebral, indicava o diagnóstico publicado no breve obituário. Edgar Allan Poe foi sepultado no cemitério da Igreja Presbiteriana de Westminsteer, em Baltimore, Maryland, no mausoléu de seu avô.

Nesse mesmo ano Charles Baudelaire publicou Contos do Grotesco e o Arabesco na França, com o nome de Histórias Extraordinárias.

Fonte: coleção obras-primas - grandes autores - vida e obra.

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Honoré de Balzac

Honoré de Balzac
1799 - Em 20 de maio, nasce em Tours Honoré de Balzac, filho de Bernard François Balssa e Laure Sallambier.
1807-1813 - Estuda no Colégio dos Oratorianos de Vendôme.
1814 - A família Balzac instala-se em Paris.
1816-1819 - Balzac estuda Direito.
1819 - Muda-se para a mansarda da rua Lesdiguières. A família transfere-se para Villeparisis.
1820 - Balzac conclui a tragédia Cromwell.
1821 - Conhece Laure de Berny.
1822-1825- Funda uma editora e em dois anos está arruinado financeiramente.
1829 - Publica Os Chouans e A Fisiologia do Casamento.
1830 - Publica Cenas da Vida Privada. Colabora em diversos periódicos.
1831 - Obtém grande êxito com A Pele de Onagro e compõe mais nove romances. Começa a escrever A Mulher de Trinta Anos (*).
1832 - Candidata-se a deputado. Recebe a primeira carta anônima de "a estrangeira", a senhora Eveline Hanska.
1833 - Publica Pai Goriot, usando pela primeira vez o processo de "retorno de personagens". Planeja A Comédia Humana, conjunto de 95 romances, entre os quais Eugênia Grandet, editado nesse mesmo ano.
1835 - Encontra Eveline Hanska emViena.
1836 - Viaja à Itália.
1836-1840 - Publica 21 livros.
1841 - Em outubro, assina um contrato para editar A Comédia Humana.
1842 - Morre o conde Hanski.
1843 - Balzac viaja a São Petersburgo. Padece de várias enfermidades.
1846 - Adquire o palacete da rua Fortunée, em Paris.
1850 - Em março, casa-se com Eveline Hanska. Retorna a Paris. Adoece e, no dia 18 de agosto, morre. É enterrado três dias depois no Cemitério de Père-Lachaise. Victor Hugo pronuncia o discurso fúnebre.

(*) A Mulher de Trinta Anos
Em A Mulher de Trinta Anos Balzac levanta questões fundamentais da vida amorosa e sentimental das mulheres e revela sua perplexidade diante do fracasso do casamento.
Esse retrato da alma feminina é bastante atual; sua personagem principal, Júlia D´Aiglemont, é uma mulher malcasada, consciente da razão de seus sofrimentos e revoltada contra a instituição imperfeita do matrimônio.



Desde pequeno Balzac tinha um sonho: viver em sociedade entre aritocratas, imortalizado pela atividade literária. Como primeiro passo, o menino de Tours, filho de modesto funcionário público, resolve alterar sua linhagem. Julgando plebéia a ascendência do pai, Bernar François Balssa, liga-a artificialmente a antigos nobres franceses. Mal aprende a escrever, passa a asisnar Balzac e acrescenta entre o prenome e o sobrenome um "de", índice de nobreza na França: Honoré de Balzac. Armado assim de nobreza e tradição pensava poder conquistar importância e celebridade.

Não lhe importa a indiferença da mãe nem a falta de atenção do pai e dos irmãos. Só Laure, a irmã mais nova, emocionada, ouve-o falar de seus planos, da obra colossal que pretendia criar, do reconhecimento que acredita receberá um dia.

Em 1814 a família Balzac muda-se para Paris, onde Honoré poderia estudar. Com vinte anos diploma-se em Direito e vai estagiar no escritório do advogado Goyonnet de Merville, que mais tarde se transformaria no Derville de A Comédia Humana. Os anos de estágio não lhe servem como prática na profissão, mas fornecem-lhe material para vários romances. Logo se cansa da vida no cartório. Quer escrever o que vê. Ao comunicar seu desejo aos pais, causa estupefação geral. Exceto Laure, toda a família responde com ironia, desestimulando-o.

Honoré não dá ouvidos aos que tentam desanimá-lo e recusa-se a acompanhar a família, que está de mudança para Villeparisis, lugarejo próximo a Paris. Os pais de Balzac, ao perceberem que o filho não abriria mão de seus sonhos, fazem um trato com ele: iriam sustentá-lo durante um ano na capital. Terminado esse prazo, se não obtivesse êxito na literatura teria de trabalhar como advogado.

Para evitar que leve uma vida desregrada, os pais restringem-lhe a mesada ao mínimo essencial, obrigando-o a viver num quarto miserável, sob os cuidados de uma velha criada. Mas Balzac sente-se o homem mais feliz do mundo; está convencido de que se tornará um grande escritor: tem um nome aristocrático e um sótão em Paris.

Depois de um ano, passado entre leituras, passeios e dúvidas, Balzac conclui a tragédia Cromwell e leva-a à família e aos amigos. Todos acham a obra lamentável, mas ele não se dá por vencido. Talvez não fosse o teatro o gênero em que seu talento haveria de se revelar. Quem sabe se no romance teria algum êxito.

O prazo de um ano está terminado. Os pais anunciam que não mais sustentariam as fantasias do filho. Balzac, animado pela confiança da irmão e pela certeza de guardar dentro de si um universo a ser revelado, acha necessário dar-se tempo para amadurecer.

Os romances sentimentais estão na moda, publicados em fascículos mensais, segundo os modelos ingleses. Balzac sabe não ser esse o caminho da arte. Mas precisa de dinheiro para sobreviver. Temendo arruinar seu prestígio antes de alçar-se à posição de grande escritor, publica sob pseudônimo as composições elaboradas de 1822 a 1825.

A atividade incessante e o desgosto com as coisas que produz levam-no a buscar algum descanso em Villeparisis. Encontra ali o primeiro amor de sua vida: Laure de Berny, amiga da família, 22 anos mais velha que ele, casada com um fidalgo irascível, mãe de sete crianças. Amável e inteligente, atrai desde o início as simpatias de Balzac. percebendo, contudo, que provocaria uma tempestade se correspondesse aos sentimentos do admirador, tenta evitá-lo o quanto pode. E não pode muito. A mãe de Balzac e as três filhas mais velhas da amada tudo fazem para impedir a ligação. Mas o amor vence e resite por dez anos, transformando-se depois numa "amizade quase sublime". Em O Lírio do Vale, de 1835, Balzac celebra liricamente sua "dileta" sob o nome de senhora de Mortsauf, imagem da "perfeição terrestre", adorável criatura dotada das melhores qualidades físicas e espirituais.

Balzac, até então, não escrevera uma só linha da grande obra que projetara. As publicações folhetinescas esgotam-lhe tempo e energia. Precisa achar uma maneira de se manter com menor desgaste. Resolve transformar-se em editor, primeiro de obras alheias, depois das suas. Com recursos da família da senhora de Berny, monta uma editora; mas é obrigado a fechá-la e a volta a escrever para pagar as dívidas que contraíra. O desastre financeiro rende-lhe experiência e inspiração, que mais tarde lhe servirão como assunto de uma impiedosa sátira contra os meios editoriais.

Em meio a todas essas turbulências, Balzac encontra no escocês Walter Scott o modelo para a criação de uma obra verdadeiramente literária. Scott é famoso na época como o criador do romance histórico. Parte então para a Bretanha, ao norte da França, a fim de estudar de perto o cenário e pesquisar os documentos sobre a rebelião dos Chouans, monarquistas que se insurgiram contra a Revolução Francesa. Ao voltar a Paris, leva o manuscrito. Em 1829, aos trinta anos, publica-o, assinando seu nome pela primeira vez.

Os Chouans e A Fisiologia do Casamento abrem-lhe as portas dos mais importantes círculos literários. O êxito dos dois romances permite-lhe colaborar em periódicos e revistas de sucesso, ganhando muito mais. Consegue finalmente as condições materiais necessárias para se dedicar com sossego à realização das suas aspirações. Põe-se a escrever febrilmente, e em um único ano conclui, além de inúmeros artigos, dezenove novelas e romances e grande parte de Pequenas Misérias da Vida Conjugal, Beatriz, A Pele de Onagro e Catarina de Médicis. Com a ambição de se tornar um "historiador da sociedade contemporânea", Balzac abandona o romance histórico. De Walter Scott mantém apenas o processo narrativo: assim, o público pode visualizar facilmente os personagens e o ambiente, apresentados com minúcias.

Jovem cheio de planos e energia, Balzac monopoliza as atenções. Mais feio que bonito, com tendência à obesidade, veste-se ora em desalinho, ora com espalhafatoso dandismo. Tem o nariz disforme, rosto arredondado, cabelos longos e estranhos "olhos de ouro". Fala muito, e sempre de si próprio, dos livros que fizera e dos que planeja, das noites que passa em claro, tomando café incessantemente para se manter acordado e redigir. É a grandeza. Vai longe o tempo dos projetos cochichados a Laure, no escuro, para que a mãe não os escutasse.

A fama e o sucesso dá-lhe esperanças de vencer na política, e, em 1832, aos 33 anos, candidata-se a deputado. Mas não consegue os votos que esperava.

Em fins desse mesmo ano Balzac recebe uma carta da parte de uma mulher que apenas se assina "A Estrangeira" e lhe expressa admiração incondicional. Mais tarde descobre ser ela a condessa polonesa Eveline Hanska, casada e infeliz, muito mais velha que o romancista. Encontra-a pessoalmente pela primeira vez na Suíça e tornam-se amantes. Apesar de se avistarem esporadicamente, a relação entre ambos perdura até a morte de Balzac, e durante muitos anos se mantém somente através de volumosa correspondência.

A ligação com a senhora Hanska não o impede, porém, de viver efêmeras aventuras amorosas e de escrever. Nada no mundo o faria abandonar a literatura. Em 1834 termina Pai Goriot, iniciando o sistema de repetição de personagens de obra para obra. Percebe que poderia fazer romances sem começo nem fim, ligados uns aos outros como se fossem os diversos momentos da vida, preciosos fragmentos de um grande quadro social e psicológico. Ocorre-lhe a idéia de compor uma série de romances cíclicos, abrangendo todos os já escritos e excluindo apenas os que publicara sob pseudônimo. Um amigo, o marquês de Belloy, sugere-lhe que intitule o conjunto de A Comédia Humana, em contraposição à Divina Comédia, de Dante: nesta foram tratados os problemas espirituais do homem e da sociedade; naquela seriam analisados os dramas do mundo. Balzac esboça o plano: a obra iria se dividir em três partes: Estudo de Costumes, Estudos Filosóficos e Estudos Analíticos. A primeira compreenderia Cenas da Vida Privada, Cenas da Vida das Províncias (grupo a eu pertence Eugênia Grandet, publicado em 1833), Cenas da Vida Parisiense, Cenas da Vida Política e Cenas da Vida no Campo. Os Estudos Filosóficos (análise dos sentimentos) e os Analíticos (procura dos princípios) não foram sub-divididos Ao todo, A Comédia Humana engloba 95 romances, compostos de 1829 a 1848.

Seu objetivo inicial é elaborar uma espécie de tipologia social, mais científica do que artística, que supunha uma certa analogia da sociedade humana relativamente à vida animal. Desde logo o ousado projeto se revela, ao autor, incompatível com suas convicções religiosas. Limita-se a retratar os costumes de seu tempo, sublimando o poder e os perigos da imprensa, o papel da burocracia, a sede por dinheiro. Sobre esse pano de fundo da realidade social do século XIX, sua poderosa imaginação cria episódios e intrigas emocionantes.

Trabalhando quase 21 horas por dia (À Procura do Absoluto, As Ilusões Perdidas) e descansando pouquíssimo, ao cabo de um ano sua saúde está deteriorada. Engorda rapidamente, embora se alimente mal. Sente tonturas. Os editores, apesar dos lucros que usufruem com seus romances, continuam lhe pagando mal. Os credores vivem à sua porta. A senhora Hanska está presente só em cartas ou em encontros fugazes. Seu único consolo é a pilha de volumes que vai crescendo: O Contrato de Casamento, O Lírio do Vale (um de seus melhores romances, obra-prima de lirismo) e Memórias de uma Jovem Esposa.

Com a morte do conde Hanski, em 1841, Balzac pode unir-se a "A Estrangeira". Em seus sonhos de nobreza, ele a imagina sobrinha de Maria Leszczynska, a polonesa com que Luís XV se casara. Muitas vezes a própria Eveline Hanska tenta fazê-lov er que o parentesco com a rainha é mais uma de suas fantasias. Tendo conquistado a glória literária, só lhe falta pertencer realmente à aristocracia para sentir-se realizado.

O casamento tarda. Antes de levar para junto de si a mulher amada, Balzac quer pagar as dívidas e comprar uma casa que cobiçara nos seus primeiros dias de Paris, um belo palacete na rua Fortunée. Com a compra e a instalação, realizada com grande requinte, gasta dinheiro que não possui e tem de redobrar o trabalho. Está doente e enfraquecido; planeja vários romances; não executa nenhum. Sabendo que a ele restam poucos anos de vida, Eveline finalmente o desposa em 1850, em Berdtcheft.

"Não tenho mais força e poder senão para a felicidade, e, se esta não vier... nada mais desejarei no mundo", escreveria Balzac em Albert Savarus, de 1842. A felicidade não vem, nem há mais tempo. Acamado desde o retorno a Paris, não há como minorar o cansaço acumulado durante anos de trabalho incessante. Em 18 de agosto de 1850 seu estado se torna desesperador. O organismo debilitado já não reage. E Honoré de Balzac morre, aos 51 anos, sem ter sido um aristocrata, mas imortalizado como o grande retratista da burguesia do século XIX.


Fonte: coleção obras-primas - grandes autores - vida e obra.

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Shakespeare

William Shakespeare
1564 - Em abril, provavelmente no dia 23, nasce William Shakespeare, em Straford-on-Avon, Inglaterra.
1582 - Em 27 de novembro casa-se com Anne Hathaway.
1583 - Em maio nasce a filha Susanna.
1585 - Em fevereiro nascem os gêmeos Hamnet e Judith.
1592 - Depois de deixar Stratford e ir para Londres, William é reconhecido como um ator talentoso, bem como um grande poeta. Torna-se membro da companhia teatral Os Homens de Lord Chamberlain.
 1596 - O filho Hamnet morre com onze anos de idade. William torna-se "cavalheiro" quando seu pai recebe um brasão de armas do College of Heralds.
1597 - William compra uma casa à qual dá o nome de "The Great House of New Place" (A Grande Casa do Novo Lugar).
1599 - Em julho o Globe Theater é construído com as ruínas do The Theater.
1603 - Em mao a companhia teatral de Lord Chamberlain passa a se chamar Homens do Rei.
1613 - O Globe Theater pega fogo durante uma apresentação de Henrique VII. Shakespeare se aposenta e volta para sua terra natal.
1616 - Em 23 d abril, em Stratford, morre William Shakespeare, aos 52 anos. Em 26 de abril é sepultado na igreja de Stratford.


(*) Tragédias
A primeira grande obra de Shakespeare foi Romeu e Julieta, de 1594. Da segunda e maior fase da dramaturgia shakespeariana são Macbeth e Otelo, entre outras grandes tragédias. Reunidas em um só volume, aqui estão três dos mais consagrados trabalhos do autor, peças até hoje entusiasticamente aplaudidas nos palcos de todo o mundo.


Terceiro filho de John Shakespeare e Mary Arden, William Shakespeare nasceu emStratfor-on-Avon, a cinquenta qulômetros de Londres, em abril de 1564. Não há registro de seu nacimento, mas existena igreja local o registro de seu batismo, em 26 de abril. Na época, pr ser alto o índice de mortalidade de recém-nascidos, as crianças normalmente eram batizadas com dois ou três dias de vida. Dessa forma foi estabelecido, então, o dia 23 de abril como a data de seu nascimento.

William era neto de fazenderios, e seu pai era um próspero comerciante de couros que chegou a ser vereador na cidade de Stratford-on-Avon (o nome indica que a cidade se localiza às margens do rio Avon). William foi o terceiro filho de John e Mary, porém o primeiro que chegou à idade adulta. Londres e as regiões próximas, á época, eram constantemtne assoladas por epidemias de peste, e as duas irmãs mais velhas de William morreram ainda crianças.

Tudo que se sabe da juventude de Shakesperare é que ele provavelmente estudou na Stratford Grammar Shool, onde teria aprendido gramática e literatura latina. Grande parte de sua obra demonstra conhecimento do teatro romano, da história antiga e da mitologia clássic.

Não há registro de que Shakespeare tenha ido para a universidade. Sabe-se que William caosu-se com Anne Hathaway, oito anos mais velha que ele. Anne estava grávida de tr~es meses, e William, que estava com dexoito anos de idade, precisou de uma autorização especial para se casar, provavelmente na Temple Gafton Church. Antes de completar 21 anos William já era pai de três ciranças, sendo que duas eram um casal de gêmeos. Houve especulação de que fora um casamento sem amor e de que o relacionamento de William com a esposa estava longe de ser um mar de rosas.

No entanto, William sempre permaneceu leal - se não fiel - a Anne durante toda a vida, não tendo deixado nunca de visitá-la regularmente, depois que se mudou para Londres.

Nada se sabe sobre o período compreendido entre o nascimento dos gêmeos e a ascensão de William Shakespeare como ator, poeta e dramaturgo, em 1592. No entanto cogita-se que ele teria fugido de Stratford para Londres para escapar de um processo por ter caçado um veado em propriedade particular, e também que teria feito parte de um grupo de atores itinerantes e trabalhado como professor numa escola rural.

Em 1594 Shakespeare ingressou na companhia teatral de Lord Chamberlain, que mais tarde, no reinado de James I, receberia o nome de King´s Men (Homens do Rei).

Shakespeare permaneceu nessa companhia teatral até o final de sua carreira em Londres. Presume-se que, como ator, ele tenha representado o papel de personagens idosos, como o fantasma em Hamlet e o velho Adam em As You Kike It (comédia de 1599). Em 1596 a família de Shakespeare recebeu um brasão de armas, e em 1597 a condição financeira de William lhe permitiu adquirir uma imponente residência em Stratford, onde ele viveria até o final da vida.

Em 1599 tornou-se um dos sócios-proprietários do Globe Theatre. Em 1613 Shakespeare se aposentou e retornou a Stratford, depois que ocorreu um incêndio no Globe durante uma apresentação.

É graças á petulante declaração de um dramaturgo rival, Robert Greene, que hoje se sabe que em 1592 Shakespeare já adquirira reputação como ator e escritor. Numa publicação que circulava à época, Greene referiu-se e ele como "uma gralha emergente".

O trabalho inicial de Skakespeare para o teatro foi interrompido por uma epidemia de peste em Londres que levou as autoridades a fechar os teatros.

Nesse período, apoiado por Henry Wriothesley, prestigiado conde de Southampton, ele escreveu dois poemas narrativos eróticos: Vênus e Adônis, em 1593, e O Rapto de Lucrécia, em 1594, ale´m de 154 sonetos - publicados em 1609, embora já circulassem anteriormente em forma de manuscrito -, que expressavam agitação, frustração, homossexualismo e masoquismo. Essas obras estabeleceram a reputação de Shakespeare como um talentoso e popular poeta da Renascença.

Houve mais sessões especiais para apresentação das peças de Shakespeare nas cortes da rainha Elizabeth I e do rei James I do que para qualquer outro dramaturgo. Certa vez, porém, arriscou-se a perder as boas graças da corte quando, em 1599, sua companhia teatral apresentou "a peça de destituição e assassinato do rei Ricardo II", a pedido de um grupo de conspiradores contra a rainha Elizabeth. No inquérito que se abriu, a companhia foi absolvida de cumplicidade na conspiração.

Por volta de 1608 a produção dramática de Shakespeare diminuiu, e ele começou a passar mais tempo na residência da família em Stratford, onde desfrutava uma vida confortável, embora nunca tenha sido um homem rico.

Shakespeare foi pai de duas filhas. De Judith, a mais nova, não aprovava o namoro com Thomas Quiney, quatro anos mais jovem que ela e dono de uma taberna em Stratford. E não era sem motivo, pois, já comprometido com Judith, Thomas tinha um caso com uma mulher, que morreu ao dar à luz seu filho, na época do casamento com Judith. Shakespeare chegou a alterar seu testamento para que Thomas não pudesse se beneficiar da herança, cuja maior parte ficou para a filha Susanna, que foi quem deu a Shakespeare sua única neta, Elizabeth.

As histórias sobre a morte de Shakespeare não são comprovadas. A mais conhecida delas é a de que ele teria contraído uma febre fatal após um banquete com seus amigos escritores Michel Drayton e Ben Jonson. O registro de seu sepultamento data de 25 de abril de 1616, quando acabara de completar 52 anos.

A obra de Shakespeare é dividida em quatro períodos: o primeiro, até 1594; o segundo, de 1594 a 1600; o terceiro, de 1600 a 1608; e o quarto, após 1608. Ao longo desse tempo o estilo de Shakespeare evoluiu da retórica barroca ao lirismo despojado.

O primeiro período foi caracterizado, até certo ponto, em voga na época o gênero de peça histórica, e Shakespeare escreveu os afrescos Henrique VI entre 1589 e 1592 e Ricardo III entre 1592  1593. também se destacam nesse período as comédias ligeiras A Comédia de Erros, de 1592, A Megera Domada, escrita entre 1593 e 1594, e Os Dois Cavalheiros de Verona, de 1594, além da tragédia Tito Andrônico, de 1593-1594.

No segundo período o estilo e a abordagem de Shakespeare se tornaram altamente individualizados. Foi quando escreveu as peças históricas Ricardo II, Henrique IV e Henrique V, as comédias Sonho de Uma Noite de Verão, em 1595, O Mercador de Veneza, em 1596, Muito Barulho por Nada, em 1598, e As Alegres Comadres de Windsor, em 1600. Desse período são também as tragédias Romeu e Julieta, de 1594-1595, e Júlio César, de 1599.

As tragédias escritas no terceiro período são consideradas as obras de maior profundidade de Shakespeare. Nelas ele usa a linguagem poética como um instrumento extremamente dramático, capaz de registrar o pensamento e as várias dimensões de determinadas situações dramáticas: entre 1601 e 1606 escreveu Hamlet, Otelo, Macbeth e Rei Lear. São também desse período as comédias Tróilo e Créssida, Tudo Está Bem Quando Acaba Bem e Medida por Medida.

O quarto período é o do equilíbrio. Nele destacam-se as principais tragicomédias românticas do escritor: Tímon de Atenas, Cimbelina, Conto de Inverno e A Tempestade.

Nesse período Shakespeare escreveu também as peças históricas Antônio e Cleópatra e Coriolano.

Na opinião de muitos críticos, as tragicomédias significam o auge do amadurecimento de William Shakespeare, embora uma outra linha considere que essa evolução reflete simplesmente as mudanças de estilo no drama daquele período.

A obra dramática de Shakespeare funde uma visão poética e refinada com um forte caráter popular, no qual os assassinatos, as violações, os incestos e as traições são os ingredientes mais leves para o divertimento do público. Além disso, na época de Shakespeare os palcos consistiam em uma plataforma elevada ao redor da qual o público se sentava, como em uma arena. E a utilização dos temas antigos também contribuía para que os personagens de Shakespeare falassem ao coração da platéia.

Já houve cerca de trezentas adaptações das peças de Shakespeare para o cinema, entre elas diferentes versões de Hamlet, Otelo, Romeu e Julieta, Macbeth, Júlio César, Rei Lear e Sonho de Uma Noite de Verão. Até hoje suas peças são representadas nos teatros do mundo inteiro, sempre com muito sucesso.

Shakespeare é sempre atual. Sua mensagem atinge todas as classes sociais, religiões, ideologias políticas e estados da alma. Ele festeja o amor, os manjares, a bebida a música, a amizade, a conversação e a beleza variável e constante da Natureza. O homem que Shakespeare apresenta reflete sua experiência, senso comum e invulgar sabedoria.

Shakespeare sabia manejar a língua com inigualável mestria. A forma como falava de uma coisa fazia com que ela se materializasse. Condensava o Universo em monossílabos: "Ser ou não ser" é a questão mais complexa e profunda que se põe ao homem, traduzida pelas palavras mais curtas e simples. Sabia como tocar a alma humana.

Assim como conduz o homem aos limites da eternidade, Shakespeare remete-o para o comum da Humanidade. Ante o cadáver de Cordélia, o Rei Lear, atormentado pela dor, exclama: "Como é possível que um cão, um cavalo e um rato tenham vida, enquanto tu jazes inerte?". No auge do seu desespero, diz: "Não voltarás mais". E acrescenta:"Nunca mais, nunca mais,  nunca mais, nunca mias, nunca mais!" Em seguida, o dique que represava sua angústia cede com este pedido prosaico:"Por favor, desaperta-me este botão".

Só mesmo William Shakespeare poderia ter ousado empregar conceitos tão díspares em um momento tão dramático. Shakespeare sobrevive porque a seu respeito só se consegue dizer a penúltima palavra - nunca a última. Suas criações são tão opacas como as da própria vida. Seus personagens são imensamente desconcertantes.

Hamlet é dos personagens sobre a qual mais se tem escrito ao longos do séculos. No entanto, a única coisa que se sabe de Hamlet é que sua tragédia é ser Hamlet - como a de todos ser humano é ser o que é. Todas as épocas e todos os homens encontram sua imagem refletida no espelho universal de Shakespeare. Os ecos da sua paixão e da sua poesia ressoam no nosso espírito - e assim será, certamente, ainda por muito tempo.


quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Zola

Émile Edouard Charles Antoine Zola
1840 - Nasce em Paris, em 2 de abril, Émile Edouard Charles Antoine Zola, filho único de Francesco Zola e de Émile Aurélie Aubert.
1843 - A família muda-se para Aix-en-Provence.
1847 - Morre o pai, Francesco.
1852 - Tornase amigo do pintor Paul Cézanne, que estuda com ele no Collège Bourbon.
1858 - Muda-se para Paris com a mãe.
1959 - Primeira obra em prosa, As Costureirinhas de Provença.
1862 - Começa a trabalhar na Editora Hachette.
1864 - Publica Contos para Ninon.
1865 - Publica seu primeiro romance, A Confissão de Claude.
1866 - Demite-se da Editora para se dedicar à literatura.
1867 - Começa a escrever o romance Thérèse Raquin. Publica Os Mistérios de Marselha.
1868 - Passa a trabalhar no grandioso projeto História Natural e Social de uma Família sob o Segundo Império: Os Rougon-Macquart.
1870 - Casa-se com Alexandrine Méley.
1871 - Publica os dois primeiros volumes da série Os Rougon-Macquart: A Fortuna dos Rougon e A Presa.
1873 /1876 - Publica O Ventre de Paris, A Conquista de Plassans, O Crime do Abade Mouret e Sua Excelência Eugène Rougon.


Filho único de Francesco Zola, um italiano que vivia em Aix-en-Provence, onde trabalhava na construção de um canal, e de Émilie-Aurélie Aubert, Émile Zola nasceu em Paris, em 2 de abril de 1840. Seu pai tinha 44 anos quando, em uma de suas viagens a Paris, conheceu Émilie, que ainda não completara vinte anos.

O menino mal conheceu o pai; em 1847 Francesco faleceu. Sozinha e com grande sacrifício, a mãe procurou equilibrar o orçamento doméstico e fazer com que o filho estudasse.

Aos doze anos, no Collège Bourbon, tornou-se amigo do futuro grande pintor impressionista Paul Cézanne.

Quando o rapaz atingiu a maioridade, partiu com a mãe para Paris, onde, graças a um amigo da família, conseguiu emprego na alfândega. O salário era muito bom, porém o mais penoso era ter de ficar preso no escritório. Além disso havia outro problema sério: o jovem não conhecia ninguém de Paris. Assim, sua única distração era escrever, para os amigos que deixara em Aix, longas queixas sobre a necessidade de ganhar a vida.

Nem a promoção a comissário da alfândega conseguiu entusiasmá-lo. Vivia sonhando com a natureza, as flores, os pássaros e as mulheres: enfim, a vida fora do escritório. E, de tanto sonhar, um dia descobriu que não poderia mais suportar "aquele mundo de comissários estúpidos". Largou tudo e foi morar em um sótão, alimentando-se de pão com alho e óleo, à maneira dos boêmios da época. Só não pensava em deixar Paris. Sentia que possuía talento literário, estava disposto a lutar para obter sucesso, e as probabilidades de consegui-lo eram maiores na capital. Em dezembro de 1859 concluía sua primeira obra em prosa, As Costureirinhas de Provença. Continuava, porém, desconhecido e insatisfeito.  Ele mesmo costumava dizer: "Ser sempre desconhecido é chegar a duvidar de si; nada engrandece os pensamentos de um autor como o sucesso".

Enquanto a fama não vinha, distraía-se de várias maneiras: discutia literatura, escrevia poemas sob a influência de seus ídolos românticos, sonhava com o futuro e ainda encontrou tempo para se apaixonar por Alexandrine Méley, com quem se casaria em 1870.

Em 1862, com o objetivo de se aproximar um pouco mais do mundo literário, começou a trabalhar na Editora Hachette. Ali seu progresso foi rápido: logo tornou-se chefe de publicidade. Tinha um bom salário e a oportunidade de tomar contato com os escritores mais famosos da época. Por outro lado, aos poucos foi descobrindo que a literatura também era um comércio e que o valor de uma obra, em si, não bastava para imortalizar um autor sem ajuda de publicidade.

Enquanto trabalhava para vender os livros de outros, Zola escrevia também o seu: Contos para Ninon. Abandonara a poesia, pois a experiência lhe havia ensinado que os versos não vendiam bem. Recusado inicialmente por três editores, o manuscrito foi afinal publicado em 1864, e recebeu boa acolhida da crítica, embora não despertasse grandes polêmicas. Mas isso não importava. O fundamental era trabalhar muito para aumentar a renda e fazer-se conhecido. As dez horas diárias não lhe bastavam: Zola ainda escrevia artigos para o Petit Journal e para o Salut Public, de Lyon, além de redigir A Confissão de Claude, publicado em 1865. O livro foi vem recebido pela crítica, mas, como o anterior, não suscitou polêmicas. E Zola sabia que as polêmicas eram úteis ao sucesso de um escritor.

Por outro lado, começou a sentir que a Hachette lhe roubava um tempo precioso. Assim, no início de 1866, deixou o emprego para dedicar-se à literatura.

Trocou o romantismo de seus anos de adolescência pelo realismo. Em 1867 começou a elaborar Thérèse Raquin, "um grande estudo fisiológico e psicológico". Entretanto, logo teve de interromper o trabalho para atender a uma encomenda: escrever o romance-folhetim Os Mistérios de Marselha. Apesar de não ganhar muito dinheiro com essa obra, com essa publicação Zola passou a ser conhecido em toda a região meridional da França.

Durante mais de dois anos Zola imaginou o projeto de sua nova obra. Um trabalho de muito fôlego composto de vários romances ligados entre si. Começou então a elaborar a História Natural e Social de uma Família sob o Segundo Império: Os Rougon-Macquart. O ano de 1870 surgia com ilimitada fé na ciência e no progresso, e parecia propiciar uma tarefa desse tipo.

Depois de convencer o editor Charpentier a financiar o projeto, o romancista afastou-se do mundo. Depois de viver enfiado nas bibliotecas por mais de uma ano, terminou a coleta de dados, foi para casa e começou a criar.

Não teria abandonado a mesa de trabalho não fosse a guerra franco-prussiana, em 1870, que o obrigou a refugiar-se em Bordeaux. Quando terminou o sítio dos inimigos, voltou a Paris. Mas em março do ano seguinte estourava a revolta dos operários, a Comuna. No meio de toda a agitação, míope e com um caderninho nas mãos, o escritor anotava tudo. Sua atitude despertou suspeitas, e ele acabou sendo preso pelos revoltosos. "Mas eu sou Émile Zola", protestou, "antigo republicano. Meus livros foram perseguidos pelo império! Sou um jornalista!" Seus protestos convenceram os líderes revolucionários, que o libertaram no dia seguinte. Mal deixou a cela, contudo, foi novamente preso, dessa vez pelos homens do governo. Soltaram-no graças à intervenção de Gustave Simon, filho do estadista Jules Simon. Ao sair da prisão, declarou: "A única coisa que me consola é não existir um terceiro governo que mande me prender amanhã".

Enquanto a revolução continuava lá fora, dentro de casa o escritor continuava seu trabalho. Apesar de todas as interferências, em 1871 apareceram os dois primeiros volumes da série: A Fortuna dos Rougon e A Presa. Zola estava ansioso por conhecer a opinião do público. Ficou preocupado ao notar uma reação negativa, e indignou-se quando teve notícias de que até cartas de denúncias estavam sendo enviadas ao procurador da República. Sua indignação, porém, só serviu para piorar as coisas: a publicação em folhetim de A Presa foi suspensa, sob acusação de obscenidade. Isso era demais para um autor que se considerava sério e puro. Sua defesa apareceria algum tempo depois no ensaio Da Moralidade na Literatura. Até 1876 publicou mais quatro volumes: O Ventre de Paris, A Conquista de Plassans, O Crime do Abade Mouret e Sua Excelência Eugène Rougon.

Estava com 36 anos e com uma enorme capacidade criadora. A crítica já acolhia com interesse suas obras. Entretanto, ainda não era um romancista de sucesso.

Em 1876 saiu A Taverna em folhetim, transformado em livro no ano seguinte, em dois volumes. Apesar de todas as críticas, o sucesso foi tão grande que, em poucas semanas, Émile Zola se transformou no mais célebre escritor francês.

O sucesso do romance não ficou apenas em frases elogiosas. O editor Charpentier reformulou os termos do contrato, para favorecer o escritor. Os jornais disputaram as obras seguintes de Zola, oferecendo fortunas para publicá-las em folhetim. Com todo esse dinheiro, o romancista comprou uma casa em Médan, e, enquanto os leitores ainda discutiam A Taberna, Zola começou a elaborar um novo livro, em estilo completamente diverso. Mas, como ele mesmo previra, Uma Página de Amor, de 1878, acabou decepcionando um público que cada vez mais desejava narrativas violentas.

O único consolo pelo fracasso foi a constante presença de um grupo de autores em sua casa. Dessas reuniões surgiu em 1880 Os Serões de Médan, com um conto de cada escritor; o de Zola chamava-se O Ataque do Moinho.

Nesse mesmo ano pôs-se a preparar um novo romance, Naná, em que descrevia a vida de uma cortesã. O sucesso foi enorme, sobretudo pelo tema ousado e pela criação realista dos personagens. Entretanto, como o escândalo havia sido responsável por grande parte desse êxito, os ataques vieram de maneira redobrada. Os que haviam elogiado A Taberna, por mostrar as fraquezas dos meios operários, rejeitaram Naná por denunciar os males de outras camadas sociais.

Em 1882 Zola publicou Panelada, e nos dois seguintes mais dois volumes da série dos Rougon: À Felicidade das Damas e A Alegria de Viver. Este tinha como tema a luta do grande comércio contra as pequenas lojas. Para escrever Germinal, publicado em 1885, Zola não se satisfez com a simples busca de documentos. Foi passar alguns meses numa região mineira. Morou em cortiços, bebeu cerveja e genebra nos botequins e desceu ao fundo do poço para observar de perto o trabalho dos operários. Aos poucos foi se familiarizando com o meio onde viviam. Descobriu as principais doenças causadas pela mineração. Sentiu o problema dos baixos salários, o sacrifício dos mineiros, a gota que cai com uma regularidade incrível sobre o rosto deles, a dificuldade de empurrar uma vagoneta por um corredor estreito, o drama do salto na escuridão que eles têm de dar para poderem sobreviver.

A obra obteve enorme repercussão. Apesar de revelar um universo que muita gente não queria ver, Germinal é um livro tão poderoso que consagrou Zola como um dos maiores escritores de todos os tempos.

No ano seginte, 1886, lançou A Obra e começou a escrever A Terra, romance ambientado no campo, no qual pretendia pintar a vida dos camponeses, tal como fizera com os operários em Germinal. Publicado em 1887, A Terra logo transformou Zola num alvo de críticas violentas. Acusaram-no de indecente e de haver caluniado os camponeses. Os adversários do naturalismo não lhe davam folga.

Em 1888 o escritor conheceu Jeanne Rozerot, jovem de vinte anos com quem teve uma ligação amorosa, que resultou num casal de filhos. Nesse ano publicou O Sonho, obra em que demonstrou sua enorme facilidade de passar de temas violentos para assuntos mais amenos. Dois anos depois terminou A Besta Humana. Cansado da série Os Rougon-Macquart, os novos romances foram empobrecendo. Assim, os três últimos, publicados entre 1891 e 1893 - O Dinheiro, A Derrocada e O Dr. Pascal -, já não têm a força dos anteriores.

Quando terminou Os Rougon-Macquart, Zola estava com 53 anos. Havia escrito vinte romances, em 31 volumes, com 1200 personagens. Podia dar-se ao luxo de descansar. Mas ele queria continuar criando. O projeto da próxima obra já estava pronto: As Três Cidades, título que englobaria os romances Lourdes, Roma e Paris, publicados entre 1894 e 1898.

Em 1894 o capitão do Estado-Maior do Exército Alfred Dreyfus foi condenado à prisão perpétua na ilha do Diabo (Guiana Francesa), acusado de haver entregue à Alemanha documentos referentes à defesa nacional, um crime que não tinha cometido. As cartas que o capitão enviava do presídio gritavam por sua inocência com firmeza e convicção. O caso tornou-se público.

Três anos mais tarde Zola foi passar o inverno em Paris e tomou conhecimento de certos documentos relativos ao processo. Entusiasmou-se. Era a primeira vez, após trinta anos de literatura, que sentia uma motivação para agir muito superior à paixão por criar. Era preciso reparar a injustiça cometida diante de todo um povo.

O acaso acabou decidindo a maneira de entrar em ação: num passeio por Paris Zola encontrou-se com o diretor do jornal Le Figaro. Os dois conversaram sobre o caso e chegaram à mesma conclusão: Dreyfus era inocente. Pouco depois o jornal publicava um artigo do escritor referindo-se ao anti-semitismo (Dreyfus era judeu). No dia 14 de dezembro de 1897 Zola redigiu Carta à Juventude, em que fez um apelo para que os jovens lutassem pela revisão do processo.

Zola atacava, os adversários revidavam. Num artigo do Petit Journal, chegaram a colocar em dúvida a honra de seu pai. Com uma tiragem de mais de um milhão de exemplares, o jornal espalhava a mentira e o ódio nas vilas mais longínquas. Mesmo as pessoas que estavam convencidas da inocência do capitão Dreyfus continuavam caladas.

Zola, entretanto, não se deixou assustar. Em janeiro de 1898, publicou no Aurore a famosa carta J´Accuse (Eu Acuso), endereçada ao presidente da República, Félix Faure. Nela denunciava todas as partes obscuras do processo. A publicação abalou Paris. O escritor foi condenado a um ano de prisão e obrigado a pagar fiança.

A única solução era sair da França. Zola então partiu para a Inglaterra, onde começou a compor Fecundidade, o primeiro de seus Quatro Evangelhos. Só retornou a Paris para assistir à revisão do processo de Dreyfus. O capitão foi condenado novamente, e Zola, num artigo violentíssimo, fez explodir toda sua indignação. Finalmente, em 1899, Dreyfus foi libertado. E o romancista, por ter sido um dos grandes responsáveis por essa vitória, recebeu um convite de editores ingleses para escrever sobre o caso. No entanto, recusou, pois julgava o fato de interesse exclusivamente francês.

Em 1901 as associações operárias organizaram um banquete para festejar a publicação de seu segundo evangelho, Trabalho, e para homenageá-lo por sua atuação no caso Dreyfus. Em agosto do ano seguinte terminou a redação de Verdade, o terceiro evangelho. No mês seguinte foi a Paris. O apartamento desabitado havia alguns meses estava bastante úmido. Zola ligou o aquecedor e adormeceu ao lado da esposa. À noite Alexandrine acordou com o corpo extremamente fatigado. Cambaleando, sentindo um mal-estar geral, chegou até o banheiro e vomitou. Quando voltou ao quarto, viu Zola já acordado. Contudo, os dois não conseguiam conversar, pois ele também se sentia mal. Tentou levantar-se mas perdeu os sentidos. Alexandrine esforçou-se para ajudá-lo, mas desmaiou também.

Somente às nove horas da manhã do dia 29 de setembro é que os empregados decidiram arrombar a porta do quarto. Alexandrine foi transportada imediatamente para uma clínica e salvou-se. Zola, entretanto, morreu asfixiado pelo gás do aquecedor. Não houve tempo para que escrevesse o último dos quatro evangelhos: Justiça. Seu corpo foi enterrado em 5 de outubro no Cemitério de Montmarte, com honras nacionais.


terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Henry Fielding

Henry Fielding

1707 - Nasce em 22 de abril, em Sharpham Park, condado de Somerser, Henry Fielding, filho de Edmund e Sara Fielding.
1718 - Morre a mãe de Henry, Sara Fielding. Henry frequenta o colégio na cidade de Eton.
1726 - Inicia o curso de Direito em Leiden.
1728 - Muda-se para Londres. Encena sua primeira comédia, O Amor sob Diversas Máscaras.
1730 - Apresenta as comédias O Galante do Templo, A Farsa do Autor e Thomas Ressuscitado ou A História Completa da Vida e das Maravilhosas Ações de Tom Thumb.
1734 - Em novembro casa-se com Charlotte Cradock.
1736 - Estréia a peça burlesca Pasquin, com grande êxito.
1737 - Estréia a peça satírica Registro Histórico para 1736. Em novembro Fielding retoma os estudos de Direito. Funda o jornal O Campeão.
1740- Fielding passa a trabalhar no fórum londrino.
1741 - Samuel Richardson publica o romance Pamela.

Fonte: coleção obras-primas - grandes autores - vida e obra.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails