sábado, 4 de setembro de 2010

Knut Hamsun - fome

Fome / Knut Hamsun; Tradução de Carlos Drummond de Andrade - São Paulo : Geração Editorial, 2009, Ficção Norueguesa, 171páginas.

"Naquele tempo, com a barriga na miséria, eu vagava pelas ruas de Cristiânia, cidade singular, que deixa marca nas pessoas..."

"Fome", belíssimo romance universal, tradução de Carlos Drummond de Andrade, prende a atenção do leitor não somente pelo fundo histórico da narrativa, dos tormentos de um escritor vagabundo e famélico que vaga pelas ruas atormentado com um toco de lápis, como o qual escreve crônicas para os jornais, dependendo disso para não morrer:

"Durante todo o verão vagueei pelos cemitérios ou no Parque do Castelo: aí me abancava e escrevia artigos para os jornais, colunas e mais colunas, sobre as coisas mais diversas: invenções estranhas, maluquices, fantasias de cérebro agitado. Em desepero, escolhia frequentemente os assuntos menos atuais, que me custavam longas horas de esforço e nunca eram aprovados. Acabado o artigo, atacava outro, e raramente me desencorajava pelo "não" dos redatores-chefes, dizia sempre a mim mesmo que acabaria vencendo. E, de fato, se estava de veia e o artigo saía bem feito, acontecia-me receber cinco coroas pelo trabalho de uma tarde."

Comovente, o livro descreve de forma tragicômica as agruras de um escritor miserável e vagabundo e todo um mundo de excluídos em labirintos pelas ruas da antiga Cristiania (hoje Oslo, capital da Noruega). Enquanto a vida pulsa, o personagem reflete de maneira profunda sobre o sentido da vida, sobre Deus, sobre o estar no mundo.

"A idéia de Deus voltou a preocupar-me. Era absolutamente injustificável de sua parte interpor-se toda vez que eu procurava um emprego, e estragar tudo, quando minha aspiração se resumia em ganhar o pão cotidiano. Eu observara muito bem que, se jejuasse durante um período bastante longo, era como se os miolos me escorresem suavemente do cérebro, esvaziando-o. A cabeça tornava-se leve, como que ausente; já não lhe sentia o peso sobre os ombros, e, se olhava para alguém, tinha a sensação de que meus olhos estavam fixos, arregalados.

Sentado no banco, e absorto nessas reflexões, sentia-me cada vez mais azedo com relação a Deus, por causa de suas insistentes provocações. Se ele supunha chamar-me para junto de si e aperfeiçoar-me pelo martírio, acumulando mortificações em meu caminho, estava um tanto enganado, podia garantir-lhe. levantei os olhos para o Altíssimo, quase chorando de orgulho desafiador, e disse-lhe essas coisas uma vez por todas, mentalmente."

Knut Hamsun, autor, foi estivador, lenhador, marinheiro, sapateiro, condutor de bonde, jornalista, cuidador de frangos. Viveu nos Estados Unidos, vagou pela Europa, e esta sua vida errante e de sofrimentos moldou-lhe o caráter, dando-lhe inspiração para criar seus vibrantes personagens. O escritor atormentado de "Fome" é ele mesmo. Controvertido, excêntrico, polêmico, avassalador e monumental em sua obra cheia de sangue, vida e furor. Knut Hamsun recebeu o Nobel de Literatura de 1920 e curiosamente perdeu o cheque no retorno do prêmio. Só ele! Hamsun nos deixou uma obra paradoxalmente plena de amarguras, sonhos e descrenças, mas também de alegrias, otimismo e esperanças. O personagem de "Fome" nos desperta pena, mas também admiração e até inveja. "O romancista universal da dor serena".

"À medida que as horas passavam, eu me via cada vez mais carcomido física e moralmente, e deixava-me levar à prática de ações cada vez menos honestas."

9 comentários:

  1. Ótima resenha, Lígia. Sinceramente deu água na boca. Gostaria muito de ler esta obra. Já li muito a respeito dela, mas ainda não a tive em mãos. E essa sua resenha temperou ainda mais minha fome de lê-la.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Muito boa resenha. Deu vontade de ler. Já ouvi falar bem de sua obra, mas sempre tive com o pé atrás por sua posição pro-nazista.

    ResponderExcluir
  3. Interessante o livro, mas me tocou mais a parte de "desafiar" Deus, pois mesmo que não notemos isto, acabamos sempre questionando os designeos de Dele...

    Fique com Deus, senhorita Lígia.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Alex,

    Nem só de pão vive o homem...rsrs
    Bom apetite, muito bom!

    ResponderExcluir
  5. Barros,
    "Em 1947, foi julgado e condenado por suas idéias. Seus livros pararam de vender quando, a respeito da morte de Hitler, escreveu: "Ele era um guerreiro, um guerreiro pela humanidade e um profeta da verdade e da justiça para todas as nações". Dois anos depois, já com 90 anos, escreveu um livro defendendo suas opções políticas - foi um bestseller."

    Da literatura quanto da vida, procuro extrair o melhor. "O mal por si só se desfaz".

    Humano, enfim.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Daniel Savio,

    Quanto mais desafiamos a Deus, mais nos conhecemos e isto de certa forma é positivo.

    Fique com Deus!

    ResponderExcluir
  7. Cheguei um pouco atrasado nos comentários, mas sou mais um que gostou muito da postagem, literatura pura.

    ResponderExcluir
  8. Caro Kovacs,

    Puríssima!
    Viciante como tuas resenhas...

    ResponderExcluir
  9. Adoro Knut e esse classico da literatura que li na minha mocidade, mas que ensinou-me muita coisa em termos de narrativa e de vida. Até hoje ainda fico impressionado com a descrição de um sofrimento.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails