quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Zola

Émile Edouard Charles Antoine Zola
1840 - Nasce em Paris, em 2 de abril, Émile Edouard Charles Antoine Zola, filho único de Francesco Zola e de Émile Aurélie Aubert.
1843 - A família muda-se para Aix-en-Provence.
1847 - Morre o pai, Francesco.
1852 - Tornase amigo do pintor Paul Cézanne, que estuda com ele no Collège Bourbon.
1858 - Muda-se para Paris com a mãe.
1959 - Primeira obra em prosa, As Costureirinhas de Provença.
1862 - Começa a trabalhar na Editora Hachette.
1864 - Publica Contos para Ninon.
1865 - Publica seu primeiro romance, A Confissão de Claude.
1866 - Demite-se da Editora para se dedicar à literatura.
1867 - Começa a escrever o romance Thérèse Raquin. Publica Os Mistérios de Marselha.
1868 - Passa a trabalhar no grandioso projeto História Natural e Social de uma Família sob o Segundo Império: Os Rougon-Macquart.
1870 - Casa-se com Alexandrine Méley.
1871 - Publica os dois primeiros volumes da série Os Rougon-Macquart: A Fortuna dos Rougon e A Presa.
1873 /1876 - Publica O Ventre de Paris, A Conquista de Plassans, O Crime do Abade Mouret e Sua Excelência Eugène Rougon.


Filho único de Francesco Zola, um italiano que vivia em Aix-en-Provence, onde trabalhava na construção de um canal, e de Émilie-Aurélie Aubert, Émile Zola nasceu em Paris, em 2 de abril de 1840. Seu pai tinha 44 anos quando, em uma de suas viagens a Paris, conheceu Émilie, que ainda não completara vinte anos.

O menino mal conheceu o pai; em 1847 Francesco faleceu. Sozinha e com grande sacrifício, a mãe procurou equilibrar o orçamento doméstico e fazer com que o filho estudasse.

Aos doze anos, no Collège Bourbon, tornou-se amigo do futuro grande pintor impressionista Paul Cézanne.

Quando o rapaz atingiu a maioridade, partiu com a mãe para Paris, onde, graças a um amigo da família, conseguiu emprego na alfândega. O salário era muito bom, porém o mais penoso era ter de ficar preso no escritório. Além disso havia outro problema sério: o jovem não conhecia ninguém de Paris. Assim, sua única distração era escrever, para os amigos que deixara em Aix, longas queixas sobre a necessidade de ganhar a vida.

Nem a promoção a comissário da alfândega conseguiu entusiasmá-lo. Vivia sonhando com a natureza, as flores, os pássaros e as mulheres: enfim, a vida fora do escritório. E, de tanto sonhar, um dia descobriu que não poderia mais suportar "aquele mundo de comissários estúpidos". Largou tudo e foi morar em um sótão, alimentando-se de pão com alho e óleo, à maneira dos boêmios da época. Só não pensava em deixar Paris. Sentia que possuía talento literário, estava disposto a lutar para obter sucesso, e as probabilidades de consegui-lo eram maiores na capital. Em dezembro de 1859 concluía sua primeira obra em prosa, As Costureirinhas de Provença. Continuava, porém, desconhecido e insatisfeito.  Ele mesmo costumava dizer: "Ser sempre desconhecido é chegar a duvidar de si; nada engrandece os pensamentos de um autor como o sucesso".

Enquanto a fama não vinha, distraía-se de várias maneiras: discutia literatura, escrevia poemas sob a influência de seus ídolos românticos, sonhava com o futuro e ainda encontrou tempo para se apaixonar por Alexandrine Méley, com quem se casaria em 1870.

Em 1862, com o objetivo de se aproximar um pouco mais do mundo literário, começou a trabalhar na Editora Hachette. Ali seu progresso foi rápido: logo tornou-se chefe de publicidade. Tinha um bom salário e a oportunidade de tomar contato com os escritores mais famosos da época. Por outro lado, aos poucos foi descobrindo que a literatura também era um comércio e que o valor de uma obra, em si, não bastava para imortalizar um autor sem ajuda de publicidade.

Enquanto trabalhava para vender os livros de outros, Zola escrevia também o seu: Contos para Ninon. Abandonara a poesia, pois a experiência lhe havia ensinado que os versos não vendiam bem. Recusado inicialmente por três editores, o manuscrito foi afinal publicado em 1864, e recebeu boa acolhida da crítica, embora não despertasse grandes polêmicas. Mas isso não importava. O fundamental era trabalhar muito para aumentar a renda e fazer-se conhecido. As dez horas diárias não lhe bastavam: Zola ainda escrevia artigos para o Petit Journal e para o Salut Public, de Lyon, além de redigir A Confissão de Claude, publicado em 1865. O livro foi vem recebido pela crítica, mas, como o anterior, não suscitou polêmicas. E Zola sabia que as polêmicas eram úteis ao sucesso de um escritor.

Por outro lado, começou a sentir que a Hachette lhe roubava um tempo precioso. Assim, no início de 1866, deixou o emprego para dedicar-se à literatura.

Trocou o romantismo de seus anos de adolescência pelo realismo. Em 1867 começou a elaborar Thérèse Raquin, "um grande estudo fisiológico e psicológico". Entretanto, logo teve de interromper o trabalho para atender a uma encomenda: escrever o romance-folhetim Os Mistérios de Marselha. Apesar de não ganhar muito dinheiro com essa obra, com essa publicação Zola passou a ser conhecido em toda a região meridional da França.

Durante mais de dois anos Zola imaginou o projeto de sua nova obra. Um trabalho de muito fôlego composto de vários romances ligados entre si. Começou então a elaborar a História Natural e Social de uma Família sob o Segundo Império: Os Rougon-Macquart. O ano de 1870 surgia com ilimitada fé na ciência e no progresso, e parecia propiciar uma tarefa desse tipo.

Depois de convencer o editor Charpentier a financiar o projeto, o romancista afastou-se do mundo. Depois de viver enfiado nas bibliotecas por mais de uma ano, terminou a coleta de dados, foi para casa e começou a criar.

Não teria abandonado a mesa de trabalho não fosse a guerra franco-prussiana, em 1870, que o obrigou a refugiar-se em Bordeaux. Quando terminou o sítio dos inimigos, voltou a Paris. Mas em março do ano seguinte estourava a revolta dos operários, a Comuna. No meio de toda a agitação, míope e com um caderninho nas mãos, o escritor anotava tudo. Sua atitude despertou suspeitas, e ele acabou sendo preso pelos revoltosos. "Mas eu sou Émile Zola", protestou, "antigo republicano. Meus livros foram perseguidos pelo império! Sou um jornalista!" Seus protestos convenceram os líderes revolucionários, que o libertaram no dia seguinte. Mal deixou a cela, contudo, foi novamente preso, dessa vez pelos homens do governo. Soltaram-no graças à intervenção de Gustave Simon, filho do estadista Jules Simon. Ao sair da prisão, declarou: "A única coisa que me consola é não existir um terceiro governo que mande me prender amanhã".

Enquanto a revolução continuava lá fora, dentro de casa o escritor continuava seu trabalho. Apesar de todas as interferências, em 1871 apareceram os dois primeiros volumes da série: A Fortuna dos Rougon e A Presa. Zola estava ansioso por conhecer a opinião do público. Ficou preocupado ao notar uma reação negativa, e indignou-se quando teve notícias de que até cartas de denúncias estavam sendo enviadas ao procurador da República. Sua indignação, porém, só serviu para piorar as coisas: a publicação em folhetim de A Presa foi suspensa, sob acusação de obscenidade. Isso era demais para um autor que se considerava sério e puro. Sua defesa apareceria algum tempo depois no ensaio Da Moralidade na Literatura. Até 1876 publicou mais quatro volumes: O Ventre de Paris, A Conquista de Plassans, O Crime do Abade Mouret e Sua Excelência Eugène Rougon.

Estava com 36 anos e com uma enorme capacidade criadora. A crítica já acolhia com interesse suas obras. Entretanto, ainda não era um romancista de sucesso.

Em 1876 saiu A Taverna em folhetim, transformado em livro no ano seguinte, em dois volumes. Apesar de todas as críticas, o sucesso foi tão grande que, em poucas semanas, Émile Zola se transformou no mais célebre escritor francês.

O sucesso do romance não ficou apenas em frases elogiosas. O editor Charpentier reformulou os termos do contrato, para favorecer o escritor. Os jornais disputaram as obras seguintes de Zola, oferecendo fortunas para publicá-las em folhetim. Com todo esse dinheiro, o romancista comprou uma casa em Médan, e, enquanto os leitores ainda discutiam A Taberna, Zola começou a elaborar um novo livro, em estilo completamente diverso. Mas, como ele mesmo previra, Uma Página de Amor, de 1878, acabou decepcionando um público que cada vez mais desejava narrativas violentas.

O único consolo pelo fracasso foi a constante presença de um grupo de autores em sua casa. Dessas reuniões surgiu em 1880 Os Serões de Médan, com um conto de cada escritor; o de Zola chamava-se O Ataque do Moinho.

Nesse mesmo ano pôs-se a preparar um novo romance, Naná, em que descrevia a vida de uma cortesã. O sucesso foi enorme, sobretudo pelo tema ousado e pela criação realista dos personagens. Entretanto, como o escândalo havia sido responsável por grande parte desse êxito, os ataques vieram de maneira redobrada. Os que haviam elogiado A Taberna, por mostrar as fraquezas dos meios operários, rejeitaram Naná por denunciar os males de outras camadas sociais.

Em 1882 Zola publicou Panelada, e nos dois seguintes mais dois volumes da série dos Rougon: À Felicidade das Damas e A Alegria de Viver. Este tinha como tema a luta do grande comércio contra as pequenas lojas. Para escrever Germinal, publicado em 1885, Zola não se satisfez com a simples busca de documentos. Foi passar alguns meses numa região mineira. Morou em cortiços, bebeu cerveja e genebra nos botequins e desceu ao fundo do poço para observar de perto o trabalho dos operários. Aos poucos foi se familiarizando com o meio onde viviam. Descobriu as principais doenças causadas pela mineração. Sentiu o problema dos baixos salários, o sacrifício dos mineiros, a gota que cai com uma regularidade incrível sobre o rosto deles, a dificuldade de empurrar uma vagoneta por um corredor estreito, o drama do salto na escuridão que eles têm de dar para poderem sobreviver.

A obra obteve enorme repercussão. Apesar de revelar um universo que muita gente não queria ver, Germinal é um livro tão poderoso que consagrou Zola como um dos maiores escritores de todos os tempos.

No ano seginte, 1886, lançou A Obra e começou a escrever A Terra, romance ambientado no campo, no qual pretendia pintar a vida dos camponeses, tal como fizera com os operários em Germinal. Publicado em 1887, A Terra logo transformou Zola num alvo de críticas violentas. Acusaram-no de indecente e de haver caluniado os camponeses. Os adversários do naturalismo não lhe davam folga.

Em 1888 o escritor conheceu Jeanne Rozerot, jovem de vinte anos com quem teve uma ligação amorosa, que resultou num casal de filhos. Nesse ano publicou O Sonho, obra em que demonstrou sua enorme facilidade de passar de temas violentos para assuntos mais amenos. Dois anos depois terminou A Besta Humana. Cansado da série Os Rougon-Macquart, os novos romances foram empobrecendo. Assim, os três últimos, publicados entre 1891 e 1893 - O Dinheiro, A Derrocada e O Dr. Pascal -, já não têm a força dos anteriores.

Quando terminou Os Rougon-Macquart, Zola estava com 53 anos. Havia escrito vinte romances, em 31 volumes, com 1200 personagens. Podia dar-se ao luxo de descansar. Mas ele queria continuar criando. O projeto da próxima obra já estava pronto: As Três Cidades, título que englobaria os romances Lourdes, Roma e Paris, publicados entre 1894 e 1898.

Em 1894 o capitão do Estado-Maior do Exército Alfred Dreyfus foi condenado à prisão perpétua na ilha do Diabo (Guiana Francesa), acusado de haver entregue à Alemanha documentos referentes à defesa nacional, um crime que não tinha cometido. As cartas que o capitão enviava do presídio gritavam por sua inocência com firmeza e convicção. O caso tornou-se público.

Três anos mais tarde Zola foi passar o inverno em Paris e tomou conhecimento de certos documentos relativos ao processo. Entusiasmou-se. Era a primeira vez, após trinta anos de literatura, que sentia uma motivação para agir muito superior à paixão por criar. Era preciso reparar a injustiça cometida diante de todo um povo.

O acaso acabou decidindo a maneira de entrar em ação: num passeio por Paris Zola encontrou-se com o diretor do jornal Le Figaro. Os dois conversaram sobre o caso e chegaram à mesma conclusão: Dreyfus era inocente. Pouco depois o jornal publicava um artigo do escritor referindo-se ao anti-semitismo (Dreyfus era judeu). No dia 14 de dezembro de 1897 Zola redigiu Carta à Juventude, em que fez um apelo para que os jovens lutassem pela revisão do processo.

Zola atacava, os adversários revidavam. Num artigo do Petit Journal, chegaram a colocar em dúvida a honra de seu pai. Com uma tiragem de mais de um milhão de exemplares, o jornal espalhava a mentira e o ódio nas vilas mais longínquas. Mesmo as pessoas que estavam convencidas da inocência do capitão Dreyfus continuavam caladas.

Zola, entretanto, não se deixou assustar. Em janeiro de 1898, publicou no Aurore a famosa carta J´Accuse (Eu Acuso), endereçada ao presidente da República, Félix Faure. Nela denunciava todas as partes obscuras do processo. A publicação abalou Paris. O escritor foi condenado a um ano de prisão e obrigado a pagar fiança.

A única solução era sair da França. Zola então partiu para a Inglaterra, onde começou a compor Fecundidade, o primeiro de seus Quatro Evangelhos. Só retornou a Paris para assistir à revisão do processo de Dreyfus. O capitão foi condenado novamente, e Zola, num artigo violentíssimo, fez explodir toda sua indignação. Finalmente, em 1899, Dreyfus foi libertado. E o romancista, por ter sido um dos grandes responsáveis por essa vitória, recebeu um convite de editores ingleses para escrever sobre o caso. No entanto, recusou, pois julgava o fato de interesse exclusivamente francês.

Em 1901 as associações operárias organizaram um banquete para festejar a publicação de seu segundo evangelho, Trabalho, e para homenageá-lo por sua atuação no caso Dreyfus. Em agosto do ano seguinte terminou a redação de Verdade, o terceiro evangelho. No mês seguinte foi a Paris. O apartamento desabitado havia alguns meses estava bastante úmido. Zola ligou o aquecedor e adormeceu ao lado da esposa. À noite Alexandrine acordou com o corpo extremamente fatigado. Cambaleando, sentindo um mal-estar geral, chegou até o banheiro e vomitou. Quando voltou ao quarto, viu Zola já acordado. Contudo, os dois não conseguiam conversar, pois ele também se sentia mal. Tentou levantar-se mas perdeu os sentidos. Alexandrine esforçou-se para ajudá-lo, mas desmaiou também.

Somente às nove horas da manhã do dia 29 de setembro é que os empregados decidiram arrombar a porta do quarto. Alexandrine foi transportada imediatamente para uma clínica e salvou-se. Zola, entretanto, morreu asfixiado pelo gás do aquecedor. Não houve tempo para que escrevesse o último dos quatro evangelhos: Justiça. Seu corpo foi enterrado em 5 de outubro no Cemitério de Montmarte, com honras nacionais.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails