terça-feira, 27 de março de 2012

Metáforas da Alma - Paulo Roberto de Aquino Ney

Metáforas da Alma -
Paulo Roberto de Aquino Ney
Metáforas da Alma, de Paulo Roberto de Aquino Ney, um livro que tenho um imenso carinho por falar de poesia com extrema sensibilidade, com elevadíssima linguagem. Retorno à poesia de Paulo Ney, como quem tem sede em uma longa caminhada desértica, uma ducha refrescante à alma ressequida de boas letras.
Difícil é selecionar apenas um poema. Inicio pelo primeiro:

ASAS
Nascem... renascem...
(todos os dias)
tantos poemas
entretecidos
dentro de mim,
que sempre e sempre,
sempre os navego,
do ponto cego
ao próprio ponto
que vê os idos
tempos sem fim.
E tu, Poeta,
sempre navegas
o teu poema?
E, se navegas,
acaso pregas
nas linhas cegas
os teus sinais?
Se não o fazes,
serão capazes
as tuas frases
originais?
E, quando escreves,
acaso dizes
as cicatrizes
do teu porão?
Se, tudo isso,
tu não consegues,
melhor que ancores
os teus escritos
(mesmo bonitos)
no porto-morto
da tua palma:
versos sem alma
não voam não!

Segundo prefácio de Arlete Parrílha Sendra, Metáforas da Alma cumpre a missão da poesia: abrir para o outro que está além-linguagem expressível. Não como recusa do dizer mas como metáforas possíveis do ato de dizer o que a alma armazena E a terrível saga da incompletude do dizer.

Paulo Roberto de Aquino Ney nasceu em Campos dos Goytacazes (RJ) no dia 18 de junho de 1943. Pertence ao Instituto Campista de Literatura, à Academia Campista de Letras e à Academia Fluminense de Letras. Possui quatro livros de poesia publicados: Estrelas de meu céu, Reminiscências, Degraus de Pedra e Sargaços.

sábado, 17 de março de 2012

Eduardo Galeano - Mulheres

Mulheres - Eduardo Galeano
Mulheres  / Eduardo Galeano; tradução de Eric Nepomuceno. - Porto Alegre: L&P, 1998, é um simpático livro que aborda como tema mulheres distintas e singular , sejam jovens ou não, mas todas com a característica de surpreender pela maneira de pensar, agir. Enfim, Maravilhosas mulheres por quem o autor teve um olhar diferenciado como a querer eternizá-las em suas letras.

PÁSSAROS PROIBIDOS

Nos tempos da ditadura militar, os presos políticos uruguaios não podem falar sem pedir licença, assoviar, sorrir, cantar, caminhar rápido nem cumprimentar outro preso. Tampouco podem desenhar nem receber desenhos de mulheres grávidas, casais, borboletas, estrelas ou pássaros.
Didaskó Pérez, professor, torturado e preso por ter idéias ideológicas, recebe num domingo a visita de sua filha Milay, de cinco anos. A filha traz para ele um desenho de pássaros. Os censores o rasgam na entrada da cadeia.
No domingo seguinte, Milay traz para o pai um desenho de árvores. As árvores não estão proibidas, e o desenho passa. Didaskó elogia a obra e pergunta à filha o que são os pequenos círculos coloridos que aparecem nas copas das árvores, muito pequenos círculos entre a ramagem:
- São laranjas? Que frutas são?
A menina o faz calar:
- Shhhh.
E em tom de segredo explica:
- Bobo. Não está vendo que são olhos? Os olhos dos pássaros que eu trouxe escondidos para você.

Eduardo Galeano nasceu em Montevidéu, Uruguai, em 1940. Em sua cidade natal foi chefe do semanário Marcha e diretor do jornal Época. Em Buenos Aires, Argentina, fundou e dirigiu a revista Crisis. Esteve exilado na Argentina e Espanha desde 1973; no início de 1985 regressou ao Uruguai. Desde então reside em Montevidéu. É autor de vários livros, traduzidos em mais de vinte línguas, e de uma profusa obra jornalística. Recebeu o prêmio Casa das Américas em 1975 e 1978 e o prêmio Aloa dos editores dinamarqueses em 1993. A trilogia Memória do Fogo foi premiada pelo Ministério da Cultura do Uruguai e recebeu o American Book Award (Washington University, USA) em 1989.
Em abril de 1999, foi distinguido com o Prêmio à Liberdade da Cultura, outorgado, em sua edição inaugural, pela Fundação Lannan, dos Estados Unidos.

quarta-feira, 7 de março de 2012

La Fontaine - fábulas - ilustradas por Gustavo Doré



"Sirvo-me de animais para instruir os homens.
Algumas vezes oponho, através de uma dupla imagem
O vício à virtude, a tolice ao bom senso.
(...)
Uma moral nua provoca o tédio:
O conto faz passar o preceito com ele,
Numa espécie de fingimento, é preciso instruir e agradar
Pois contar por contar, me parece de pouca monta."
(Jean de La Fontaine)

La Fontaine fábulas, ilustradas por Gustavo Doré, Vol. I e II, editora Landy, 2003 é um livro para se ler antes de dormir como nos tempos infantis. Leitura leve, irreverente, para todas as faixas etárias. Consigo imaginar o impacto que o autor causava nos leitores da época em que escrevia e publicava seu maravilhoso trabalho, tão atual até os dias de hoje. Um livro imprescindível na estante.


FÁBULA VII

O VELHO, O RAPAZ E O BURRO

O mundo ralha de tudo,
Tenha ou não tenha razão,
Quero contar uma história
Em prova desta asserção.

Partiu um velho campônio
Do seu monte ao povoado;
Levava um neto que tinha,
No seu burrinho, montado.

Encontra uns homens que dizem:
"Olha aquela que tal é",
Montado o rapaz, que é forte,
E o velho trôpego a pé!

- Tapemos a boca ao mundo,
O velho disse: - Rapaz,
Desde do burro, que eu monto,
E vem cainhando atrás".

Monta-se, mas dizer ouve:
"Que patetice tão rata!
O tamanhão no burrinho,
E o pobre pequeno à pata!

- Eu me apeio, diz, prudente,
O velho de boa fé;
Vá o burro sem carrego,
E ambos vamos a pé".

Apeiam-se, e outros lhes dizem:
"Toleirões, calcando a lama!
De que lhes serve o burrinho?
Dormem com ele na cama?

- Rapaz, diz o bom do velho,
Se de irmos a pé murmuram,
Ambos no burro montemos,
A ver se ainda nos censuram".

Montam, mas ouvem de um lado:
"Apeiem-se, almas de breu,
Querem matar o burrinho?
Apost que não é seu!

Vamos ao chão, diz o velho,
Já não sei que hei de fazer!
O mundo está de tal sorte,
Que não se pode entender.

É mau se monto no burro,
Se o rapaz monta, mau é;
Se ambos montamos, é mau,
E é mau se vamos a pé!

De tudo me tem ralhado;
Agora que mais me resta?
Peguemos no burro às costas,
Façamos inda mais esta!

Pegam no burro; o bom velho
Pelas mãos o ergue do chão,
Pega-lhe o rapaz nas pernas,
E assim caminhand vão.

"Olhem dois loucos varrido!
Ouvem com grande sussurro, -
Fazendo mundo às avessa,
ornados burros do burro!"

O velho, então, pára, e exclama:
"Do que observo me confundo!
Por mais que a gente se mate,
Nunca tapa a boca ao mundo.

Rapaz, vamos como dantes,
Sirvam-nos estas lições;
É mais que tolo quem dá
Ao mundo satisfações".

CURVO SEM MEDO

Esta edição, traduzida por poetas brasileiros e portugueses, como Raimundo Corrêa, Machado de Assis, Bocage, Filinto Elísio entre outros, mais se enriquece com as ilustrações de Gustavo Doré, famoso ilustrador que também produziu criações para o D. Quixote, A Divina Comédia e Orlando Furioso, obras-primas da literatura universal.

São apresentados quatro livros com as mais belas fábulas:

Livro Primeiro
O lobo e o cão (Barão de Paranapiacaba)
O velho e a morte (Gonçalves Crespo)
O burro vestido com a pele do leão (Curvo Semmedo)
Ossos do ofício (João de Deus)
O rato anacoreta (Costa e Silva)
O leão e outros animais (Fernando Leal)
A raposa e as uvas (Bocage)
O bêbado e sua mulher (E. A. Vidal)
O leão que vai à guerra (Filinto Elísio)
O leão e o mosquito (J. I. D´Araujo)
O lobo e o grou (a cegonha) (Malhão)
Os animais enfermos da peste (Machado de Assis)
O leão velho (Bocage)
O rato da cidade e o do campo (Barão de Paranapiacaba)
O burro e os donos (Curvo Semmedo)
Os dois pombos (José Antonio de Freitas)
O lobo e o cordeiro (Barão de Paranapiacaba)
O homem e a sua imagem (Teófilo Braga)


Livro Segundo
O homem e o bosque (Costa e Silva)
A morte e o desgraçado (Gomes Leal)
O corvo e a raposa (Bocage)
A andorinha e os outros passarinhos (B. de Paranapiacaba)
O homem de meia idade (Couto Guerreiro)
O gato e o macaco (Garcia Monteiro)
A raposa e a cegonha (J. I. D´Araujo)
O veado enfermo (Filinto D´Almeida)
O leão vencido pelo homem (Bocage)
A panela de ferro e a panela de barro (Acácio Antunes)
Os lobos e as ovelhas (J. I. D´Araujo)
A ingratidão dos homens acerca da fortuna (Filinto Elísio)
As rãs que pedem rei (Barão de Paranapiacaba)
Os médicos (Curvo Semmedo)
O filósofo cita (J. Mariano de Oliveira)
O camelo (Couto Guerreiro)
O avarento que perdeu o tesouro (Ramos Coelho)
O leão caçando com o burro (Barão de Paranapiacaba)
A lebre e as rãs (E. A. Vidal)

Livro Terceiro
Os mateiros e mercúrio (Costa e Silva)
Os zangãos e as abelhas (Barão de Paranapiacaba)
O leão doente (Curvo Semmedo)
Os dois dragões (Júlio de Castilho)
A cerva e a vide (Couto Guerreiro)
O mono e o leopardo (Silva Ramos)
O leão e o caçador (Barão de Paranapiacaba)
O rato e o elefante (A. Lopes Cardoso)
A raposa derrabada (Curvo Semmedo)
Os ladrões e o asno (Gomes de Amorim)
O sol e o vento (Couto Guerreiro)
Os dois touros e a rã (Barão de Paranapiacaba)
A ostra e os pleiteantes (Filinto Elísio)
A leoa e a ursa (Raimundo Correa)
As orelhas da Lebre (Curvo Semmedo)
A águia e o mocho (Jaime Vitor)
O lavrador e seus filhos (Couto Guerreiro)
O gato e o rato velho (José Antonio de Freitas)
O sol e as rãs (Antonio Pitanga)
O carvalho e a cana (José Ignácio D´Araujo)

Livro Quarto
O congresso dos ratos (Barão de Paranapiacaba)
O menino e o mestre-escola (João C. de Menezes e Souza)
A fortuna e o rapaz (Couto Guerreiro)
O passarinho, o açor e a cotovia (Maximiliano D´Azevedo)
O pastor e o mar (Filinto Elísio)
O marido, a mulher e o ladrão (Hipólito de Camargo)
O velho, o rapaz e o burro (Curvo Semmedo)
O macaco (Barão de Paranapiacaba)
O mergulhão, a silva e o morcego (Couto Guerreiro)
A torrente e o rio (Silva Ramos)
O cisne e o cozinheiro (Filinto Elísio)
O porco, a cabra e o carneiro (J. I. D´Araujo)
A cotovia e os filhos (Curvo Semmedo)
O milhafre e o rouxinol (Barão de Paranapiacaba)
Os dois galos (Couto Guerreiro)
O estatuário e a estátua de Júpiter (Raimundo Corrêa)
O doido que vende siso (Barão de Paranapiacaba)
O elefante e o macaco de Júpiter (Dr. Brasílio Machado)
O homem e a cobra (Costa e Silva)
Os peixes e o pastor que toca flauta (J.I.D´Araujo)

La Fontaine nasceu em 1621 em Château-Thierry. Em 1647 foi para Paris, onde iniciou carreira literária. Frequentou a Corte de Luis XIV e os meios literários parisienses. Chegou a frequentar um grupo de que faziam parte Racine, Boileau e Moliére. Escreveu contos, cultivou a poesia, também escreveu a comédia "Climene". Mas são as suas Fábulas que ganharam fama. Para escrevê-las tomou temas de Esopo e Fedro e da mitologia clássica. Tratou esses temas de modo reinventivo. Como bom poeta que foi, soube manejar o verso com brilho, o que resultou em um belo conjunto, atraente pela leveza e pelo espírito irreverente e irônico que nele imprimiu. Por isso suas fábulas resistiram ao tempo e continuam a atrair leitores de todo o mundo.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails