segunda-feira, 14 de novembro de 2016

David Gilmour - O clube do filme


David Gilmour - O clube do filme

Livro autobiográfico, em que o crítico cinematográfico Canadense David Gilmour discorre sobre como utilizou de sua paixão, a arte, especificamente, o cinema, para aproximar-se do filho adolescente, onde o rapaz poderia deixar de estudar desde que juntos assistissem a três filmes semanais. 
Jogou todas as fichas. Vislumbrava o tempo que teriam juntos para discutir a arte cinematográfica que tanto de realidade poderia fazer um jovem enxergar além de suas decepções amorosas e vida desregrada mas não somente: vislumbrava um tempo de convivência, de resgatar um tempo certamente quase perdido em relação à educação do filho que se absteve durante uma vida de trabalho e separação familiar.
No desenvolvimento da obra, há momentos em que o autor discorre demasiadamente em detalhes da narrativas e em outros onde seriam importante maiores detalhes para entendimento de passagem de fase de desenvolvimento do personagem central, o filho, há um pulo no espaço de tempo, ficando a reflexão da superação do personagem quanto a suas angústias para entendimento do leitor. Necessitando do leitor um entendimento, para compreender o amadurecimento do personagem por si só. Amadurecimento este que fica na forma como foi mostrada, a desejar.
O livro é uma amostra, um laboratório das relações humanas, voltadas para o papel da educação que os pais deveriam exercer sobre a vida dos filhos, não esperando somente que a escola ou sociedade o cumpra.
Essa sensação de laboratório podemos ver ao longo da narrativa, como tentativa e erro, onde o pai busca acertar mas escrever a obra foi talvez uma forma de se redimir das incertezas que vivenciou em relação à educação do filho.
Talvez o ponto fraco da narrativa seja a exclusividade da narrativa centrada no pai e filho e deixando outros personagens como mero coadjuvantes, ou seja, a mãe do menino, a esposa do depoente, e pasmem vocês, a somente citada irmã do rapaz problemático somente nos agradecimentos. Sim, é uma família um tanto invisível, certamente.
Certamente a expectativa de discorrer uma lista de filmografia desperta o interesse pelo livro. Nesta parte, por ser longa, nem todos os filmes são detalhados, ficando apenas a dica ao leitor dos melhores e piores filmes, pelo crítico cinematográfico, autor da obra. Vale entretanto, reflexões acerca dos detalhes que podem prender uma pessoa a um filme, como simplesmente pelo prazer de diversão e não tão somente pela mensagem intrínseca da obra.

O Clube do Filme - David Gilmour; tradução de Luciano Trigo. - Rio de Janeiro: Intrínseca, 2009.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails