segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Raul Pompéia - vida e obra

Raul Pompéia

1863 - Em 12 de abril nasce Raul d´Ávila Pompéia, em Jacuecanga, município de Angra dos Reis, Estado do Rio de Janeiro.
1873 - A família transfere-se para a cidade do Rio de Janeiro, Raul é matriculado como interno no Colégio Abilio, do dr. Abílio César Borges, barão de Macaúbas.
1879 - Ingressa no Imperial Colégio D. Pedro II, onde conclui os estudos secundários.
1880 - Publica seu primeiro romance, Uma Tragédia no Amazonas.
1881 - Publica os contos Microscópios no jornal estudantil A Comédia, de São Paulo. Matricula-se na Faculdade de Direito de Largo de São Francisco, em São Paulo. Luta pela abolição da escravatura, ao lado do poeta, jornalista e advogado Luís Gama.
1882 - A Gazeta de Notícias começa a publicar em folhetins o segundo romance de Raul, As Jóias da Coroa.
1883 - Inicia as Canções sem Metro, publicando-as no Jornal do Comércio, de São Paulo.
A campanha abolicionista absorve grande parte de sua atividade.
1885 - Com 94 colegas, transfere-se para a Faculdade de Direito de Recife, onde conclui o curso.
1888 - Publica em folhetim, na Gazeta de Notícias, do Rio de Janeiro, o romance O Ateneu. Inicia nesse mesmo jornal, a seção "Pandora", sobre a crítica de arte. Trabalha como correspondente do Diário de Minas. Deixa inacabado o romance Agonia.
1889 - Colaboração em A Rua, de Pardal Mallet, e no Jornal do Comércio.
1890 - Intensa atividade artística, que o faz discutir os problemas coletivos de seu tempo.
1891 - É nomeado professor de mitologia da Escola Nacional de Belas-Artes.
1892 - Ofendido por Olavo Bilac, desafia-o para um duelo à espada.
1893 - Publica um de seus melhores desenhos políticos: "O Brasil crucificado entre dois ladrões", na linha nacionalista dos adeptos radicais de Floriano Peixoto.
1894 - É nomeado diretor da Biblioteca Nacional.
1895 - Acusado de desacatar Prudente de Moraes, Presidente da República, é demitido do cargo de diretor da Biblioteca Nacional. Em 25 de dezembro põe fim à vida com um tiro no coração.
1900 - Publicação póstuma, em livro de Canções sem Metro.

Jornalista e escritor, Raul Pompéia, nasceu em Jacuecanga, Angra dos Reis, Rio de Janeiro em 12 de Abril de 1863, segundo filho do próspero advogado Antônio d´Ávila Pompéia, homem carrancudo, de aspecto austero, e de Rosa d´Ávila Pompéia, mulher de rara beleza.
O pai descendia de uma família mineira, que, envolvida na Inconfidência Mineira, fugiu de Minas e fixou-se em Resende, Estado do Rio de Janeiro. Dona Rosa provinha de portugueses que, atraídos pela cana e pelo comércio, se estabeleceram em Angra dos Reis.
Depois de liquidar os negócios da fazenda, em 1873 o doutor Antônio transferiu-se para o Rio de Janeiro com a família, onde comprou casas e abriu banca de advogado.
Nessa época as ricas famílias da Inglaterra mandavam os filhos para o Eaton, quando lhes queriam dar uma educação coerente com a posição social. À burguesia brasileira o Colégio Abílio, bem como o Imperial Colégio D. Pedro II, pareciam corresponder. Em 1973 "O menino Raul Pompéia entra para o colégio dos homens que sustentam e pagam a educação dos seus filhos com o trabalho escravo", escreveria José Lins do Rego. Em O Ateneu, obra publicada em 188, o professor Aristarco personaliza o modelo da educação moral e cívica.
Mas não se pode tomar ao pé da letra que o Ateneu tivesse sido inspirado mesmo no Colégio Abílio. Na vida de Raul Pompéia, o diretor Abílio César Borges, barão de Macaúbas, gozou de uma lembrança bem contrária àquele ódio que Aristarco despertava em Sérgio, narrador e protagonista. Em 1891, quando morreu o famoso barão, Pompéia dedicou-lhe verdadeira homenagem.
No Colégio Abílio, Raul Pompéia revelara suas inclinações intelectuais e artísticas. Dona Rosa e o doutor Antônio sonhavam para o filho um lugar de relevo, a nata da sociedade.
Os d´Ávila Pompéia, especialmente as mulheres (a mãe e as três irmãs) concentravam todo o carinho e confiança no jovem Raul. Seus escritos e desenhos foram guardados amarrados em fitas. A família continuava distante do burburinho d Corte. Praticamente não recebiam visitas. Raul não tinha amigos íntimos, mas era vibrante nos ataques aos professores injustos e ao favorecimento escolar de que gozava o neto do imperador. Não se acomodou. Embora aprovado, várias vezes repetiu o exame de grego, até conseguir a nota com distinção. Concluiu o ensino médio e desdenhou o diploma que tanto estudo lhe custara. Publicou Uma Tragédia no Amazonas, escrito na época do Abílio, que alcançou algum sucesso e lhe valeu crítica esperançosa de Capistrano de Abreu, literato de fama.
Quando Pompéia desembarcou em São Paulo, onde foi fazer o curso de Direito, falava-se na construção do Viaduto do Chá. Naquele ano de 1881 a cidade era pequena, a vida era tranquila. Animavam-na os estudantes, com suas repúblicas, suas festas. A garoa umedecia a paisagem. As casas baixas abrigavam famílias de passado rural; brasileiros, italianos, portugueses, um ou outro espanhol; algum alemão, foragido de inúmeras perseguições; o russo que se encontrava com o turco e falavam da guerra entre seus países; alguns judeus iam à sinagoga. Nos bairros, negros livres procuravam organizar seus núcleos familiares, apesar do ambiente escravocrata. Havia os mestiços passeando na vida boêmia. Nos cafés a intelectualidade paulistana discutia a República, a escravidão, a literatura. Os poetas iam à praça.
Em São Paulo Raul Pompéia logo se engajou na campanha abolicionista. Embora violentos, não foram os escritos de "Rapp" (um dentre os seus vários apelidos) que atraíram o ódio aberto dos escravocratas paulistas. Foi uma charge contra o Diário de Campinas, órgão dos proprietários rurais. O desenho ousado ferira a suscetibilidade religiosa dos donos de escravos. COm isso o estudante Raul Pompéia passou a ser perseguido pelos conservadores. A Faculdade de Direito refletia a crise política; os estudantes abolicionistas e republicanos entravam em choque com a direção retrógrada de alguns de seus professores.
Em 1884, jornalista consagrado, autor de mais um romance (As Jóias da Coroa), a banca o reprovou nos exames finais: "injustamente", disseram testemunhos da época. Na sequência de uma greve, Raul Pompéia emigrou para o Recife com mais 94 colegas, onde concluiria o curso de Direito.
Não foi só no jornalismo.
Raul Pompéia também participou apaixonadamente dos dois principais movimentos de oposição da época; intransigente, não rimava República com escravidão. Além de escritor, Pompéia foi também desenhista e escultor, demonstrando temperamento sensível, às vezes angustiado, mórbido e instável, características que o levaram a se envolver em contínuas polêmicas.
Suas ligações com Luís Gama e depois com Antônio Bento, líderes insurrecionais inatos, fixaram no poeta de Canções sem Metro uma ideia de prática política. As rebeliões nas senzalas queimavam pós de café, os escravos fugiam.
Em Recife Pompéia viveu mais isolado. O bairro onde ele e os colegas criaram uma casa de estudantes era distante. Pompéia concentrou-se nas provas finais e nos trabalhos literários. Talvez datem dessa época os esboços de O Ateneu.
A situação menos escravocrata do Nordeste descansou-o um pouco da campanha abolicionista. Levou, enfim, o seu diploma para o Rio de Janeiro e a lembrança de alguns colegas mortos pela febre amarela.
Começou a atuar como o que hoje se chama de jornalista cultural. Sua vocação de artista plástico era saciada com a cobertura de exposições e com sua escrita ficcional, marcada por descrições muito vívidas e cromáticas.
A temperatura política do Império media-se na rua do Ouvidor. Ministros, deputados, jornalistas, poetas e cocheiros comentavam e previam acontecimentos; de palpite, compunham-se e derrubavam-se os ministérios. Segredos do Paço escapavam; faziam-se promessas de empregos públicos. Uma mulher bonita suspendia olhares, provocava a fantasia dos homens. Raul Pompéia era dos habitués. Mas não bebia, não fumava, não tinha aventuras eróticas para contar. Ouvia com desagrado os comentários vulgares. Fugia disso. Era contra sua índole, delicada e fina.
No entanto, se estivesse em discussão um assunto político ou literário, mostrava-se polêmico, defendia com ardor suas posições. Os inimigos apareciam; uns discutiam honestamente, outros armavam boatos, calúnias. Enfim, Pompéia fazia parte do ambiente intelectual de Coelho Neto, Aluísio de Azevedo, Artur Azevedo, Olavo Bilac, Valetim Magalhães, Capistrano de Abreu, Luís Murat, Machado de Assis, Araripe Júnior e Pardal Mallet.
Em 1887 lá está ele em meio a intensa atividade, colaborando em jornais de diversas províncias, polemizando, fazendo comícios pela República e pela abolição; vai à rua do Ouvidor. O artista prolongava as noites de trabalho debruçado sobre as Canções sem Metro (cuja publicação se iniciara em 1883 no Jornal do Comércio, de São Paulo), desenhando ilustrações para elas.
Sua sensibilidade recolhe ao mesmo tempo imagens do passado, sons, sofrimentos, decepções que se fundem às mesmas emoções doloridas do presente. Esse trabalho vai consumindo tinta e papel e dando vazão a um requintado artista do romance brasileiro. O resultado é a publicação, em 1888, de O Ateneu, segundo seu autor uma "crônica de saudades", cujo lançamento foi assim comentado pela Gazeta de notícias: "Não há no livro propriamente personagens reais, copiados in totum de um modelo único; mas não há fato nem cenários de fantasia".
Nesse ano Pompéia escreveu uma defesa do livro diante de seus críticos, que, numa prática brasileira que dura até hoje, insistiam em julgar o autor em vez da obra. Melancólico como Machado, Pompéia não teve a capacidade de reserva e ironia dele; seu bordão de autodefesa era: "É mau, mas é meu".
É placentária a relação de Pompéia com sua origem, diria se pudesse o menino Sérgio, personagem-narrador de O Ateneu. As relações não se quebravam nunca; a família como que amarrava um nó no coração. Raul Pompéia não desatou todos os pontos. As quatro mulheres da família projetavam nele todo um carinho não manifestado ao pai, por sua austeridade e hipocondria; transmitiam ao medas menino da casa as emoções provocadas pela atuação, ao que tudo indica, de respeitável autoritarismo do pai, o homem da casa.
O autoritarismo do doutor Antônio era resultado do sistema patriarcal que assegurava a instituição da família como privilégio dos proprietários e homens livres. Raul Pompéia não conheceu outra vida familiar. Na intimidade, o seu mundo foi exclusivo da família, dividido entre o afeto maternal e a força paterna. O conflito íntimo entre essas imagens contrárias de prazer e repressão, conduzido pela inibição moral dos costumes, ele soube sublimar na arte de O Ateneu. "O seu romance nos parece uma criação que vencera o suicida", afirmaria José Lins do Rego.
A partir de 1891 ele não escreveria mais para a literatura. Sua personalidade voltara-se inteiramente para a política. Sucedem-se comícios, artigos, polêmicas, ensaios com o estilo inconfundível do homem de letras. Violentos, radicais... Mas radicais em relação a quê?
Não era mais possível o clima de união de que Pompéia gozara no movimento abolicionista à época da São Francisco. A guerra civil animava polêmicas, dividia jornalistas: defendiam-se interesses diversos, quando não se tratava de proteger a própria pele. Alguns colegas de Pompéia haviam sido presos e torturados pela polícia de Floriano. Sob constante estado de sítio e perseguições, os florianistas agitavam o Rio de Janeiro com manifestações radicais.
Pompéia sofre ofensas de Olavo Bilac no jornal O Combate. Num artigo, Bilac criticava severamente Pompéia, acusando-o de estar sendo cooptado pelo governo florianista ao aceitar o emprego de professor num momento de muitas incertezas políticas. A reação violenta de Pompéia ao que considerou uma infâmia veio no desafio feito a Bilac, depois de se esbofetearem um dia, sob juras de vingança; para resolver a questão duelariam à espada.
Há no episódio do duelo, moda recente entre os frequentadores dos cafés da rua do Ouvidor, algo de grotesco. Socialmente, talvez expressasse intenção de auto-extermínio de uma camada sem perspectiva histórica no processo que se desenrolava. Os espadachins não entraram em ação, a ofensa fora retirada, graças à interferência dos padrinhos. Era a frase que, na vida de Pompéia, seus biógrafos chamam de "intoxicação pública".
Pompéia continuou florianista mesmo após a morte do presidente. No governo de Floriano, fora nomeado professor de mitologia da Escola de Belas-Artes e depois diretor da Biblioteca Nacional. A posse de Prudente de Moraes criaria pânico e paranóia entre os florianistas; os mais exaltados continuavam o clima de guerra civil.
Meses após os funerais do marechal Floriano - quando, segundo fontes do governo, que estivera no cemitério prestando as últimas homenagens ao antecessor -, um jornal publicou violento panfleto assinado por Luís Murat. O artigo se referia às cenas nos funerais. O título da matéria era "Um Louco no Cemitério", Além da crítica política à conduta de Pompéia e de aplaudir sua demissão do cargo na Biblioteca Nacional, Murat, ex-companheiro de classe de Pompéia, tocou na honra deste, insinuando "covardia" no desfecho do duelo com Bilac.
O doutor Antônio falecera alguns anos antes. Pompéia, com suas crises de depressão, preocupava a
mãe e as irmãs. Após a leitura do artigo de Murat, vivia alarmando as mulheres com projeto de suicídio. "Estou desonrado!" Com os nervos despedaçados, resolveu papéis e tomou o revólver. Ainda escreveu um bilhete ao jornal, pelo qual se sentira desprestigiado, e ao país: "À Notícia e ao Brasil declarou que sou homem de honra", Datou "25 de dezembro de 1895" e assinou "Raul Pompéia". Estirou-se numa poltrona. A mão do artista foi certeira; desembaraçou-se de si mesmo com um tiro no coração. A mãe, dona Rosa, e as irmãs foram acudir. Antes de pedir água e morrer, o desgraçado artista notara o estado da irmã. Disse à mãe: "Vá ver a Alice".
Raul Pompéia é o patrono da cadeira número 33 da Academia Brasileira de Letras, por escolha do fundador Domício da Gama.
Abolicionismo, nacionalismo e condições sociais foram alguns dos temas que Raul Pompéia, além de tratar em suas obras e discussões, procurou mostrar desenhando. Seus desenhos revelam uma sensibilidade artística que vai além dos limites do escritor preocupado com os problemas do seu tempo. Quando escreveu O Ateneu, Raul Pompéia quis dar mais vida ao texto, acompanhando-o de ilustrações feitas por ele mesmo, a bico-de-pena. São mais de quarenta desenhos que mostram personagens, situações, detalhes da vida no Ateneu; enfim, todo o clima que envolve Sérgio, o personagem-narrador do romance.
Um dos mais inteligentes romances da literatura brasileira, O Ateneu é o ápice da carreira de Raul Pompéia. É o romance da desilusão. O escritor escolheu para a fábula sentimental o estilo mais significativo de sua época: Gustave Flaubert. Dele tomou emprestado o nome de um personagem para construir uma das figuras femininas mais platonicamente sensuais - Ema.
Sérgio e Ema constituem a história de amor no romance.
A história do internato fala da educação sexual e intelectual do adolescente como reflexo da sociedade e, mais precisamente, de sua elite no contexto de falência do regime monárquico, de base escravista. Os sintomas de decadência percorrem as experiências narradas por Sérgio no contato com os companheiros de classe - Rebelo, Sanches, Bento Alves, Franco, Egbert -, mostrando-se nas relações a ausência de perspectiva histórica.
Em artigos e prefácios, Pompéia se revela um combatente decidido contra o escravismo e a monarquia. Em seus livros, ainda que timidamente, já são colocadas questões que só cem anos depois viriam a ser debatidas abertamente, como a homossexualidade e os internatos para meninos.
Do ponto de vista literário não há unanimidade entre os críticos: alguns, com ressalvas, o classificam como realista; outros, também com ressalvas, o enquadram entre os naturalistas; e há também aqueles que até insinuam que sua obra é precursora do Modernismo. Por todas essas razões, a obra desse home que tirou a própria vida é um dos marcos na história da nossa literatura, capaz de propiciar o prazer e a reflexão ainda hoje.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Francisca Júlia da Silva - 100 Anos de Poesia


Francisca Júlia

"Mergulha o teu olhar de fino colorista
No azul: medita um pouco, e escreve; um nada quase"
(Francisca Júlia)

Francisca Júlia, a única mulher no Brasil a se destacar no Parnasianismo, uma escola de estilo sóbrio e conservador, foi incentivada  a ler pelo pai, advogado, e pela mãe, professora. Aos oito anos, mudou-se com a família para São Paulo. Aos 20 começou a escrever para o Correio Paulistano, o Diário Popular e o Estado de S. Paulo - no qual publicou seus primeiros poemas -, e também para a imprensa carioca, destacando-se as revistas O Álbum, editada por Arthur Azevedo, e A Semana.

O livro de estréia de Francisca Júlia reuniu os sonetos publicados durante três anos na imprensa. Segundo Manuel Bandeira, "o seu livro Mármores (...) foi entusiasticamente saudado pelos mestres parnasianos, e com razão, pois talvez em nenhuns outros versos se encontre como nos da poetisa paulista mais extremamente realizado o ideal de impassível beleza, que era a aspiração da escola."
Apesar do sucesso, Francisca Júlia só lançou outro livro de poemas, Esfinges, oito anos depois. Nesse período, editou em colaboração com o irmão, o também escritor Júlio César da Silva, o Livro da infância, adotado pelas escolas de 1. grau do estado de São Paulo. De acordo com Benjamin de Abdala Júnior, Esfinges  "mostrou seu encaminhamento para a tendência religiosa do Simbolismo". Pode-se observar que sua obra tem duas fases distintas: parnasiana, em Mármores; e simbolista, em Esfinges. Deste último, disse o crítico Aristeu Seixas: "Nenhuma pena manejada por mão feminina, seja qual for o período a que remontemos, jamis esculpiu, em nossa língua, versos que atinjam a perfeição em par e a beleza estonteante dos concebidos pelo raro gênio da peregrina artista."

Em 1909, a poetisa casou-se com o telegrafista Edmundo Munster, deixando a vida liter´ria para dedicar-se ao lar. Só publicou mais um livro, o infanto-juvenil Alma infantil, também em parceria com o irmão. Conhecida como a "musa impassível", sua morte veio a demonstrar que, na vida particular, Francisca Júlia não era nada impassível: inconformada e bastante abalada com a morte do  marido tuberculoso, a poetisa ingeriu uma dose letal de narcóticos e morreu no dia seguinte, em pleno velório do esposo, sendo sepultada no feriado de finados.

Curiosidade
Sua estréia na revista A Semana, uma das mais conceituadas da então capital federal, causou grande alvoroço. Seus redatores, escritores famosos da época, a princípio não acreditaram que aqueles versos tão perfeitos tivessem sido escritos por uma mulher. João Ribeiro chegou a comentar: "Isto não é verso de mulher! Deve ser uma brincadeira do Raimundo Correia!"

"Em Francisca Júlia, surpreendeu-me o respeito da língua portuguesa, (...) que traz para a arte escrita todas as suas delicadezas de mulher, toda a sua faceirice de moça, nada perde da sua pureza fidalga de linhas. O português de Francisca Júlia é o mesmo antigo português, remoçado por um banho maravilhoso de novidade e frescura."
(Olavo Bilac)


"Nem aqui,nem no sul nem no norte, onde agora floresce uma escola literária, encontro um nome que se possa opor ao de Francisca Júlia. Todos lhes são positivamente inferiores na estrofe, na composição e fatura do verso, nenhum possui e tal grau o talento de reproduzir as belezas clássicas com essa fria severidade de forma e de epítetos que Heredia e Leconde deram o exemplo na literatura francesa."
(João Ribeiro)

"Muito pouco se escrevem sobre o maior vulto feminino do Parnasianismo brasileiro. Num universo inteiramente dominado por poetas do chamado sexo forte, Francisca Júlia provou que mulher também sabia fazer poesia de qualidade."
(Roberto Flores)


À noite

Eis-me a pensar, enquanto a noite envolve a terra;
Olhos fitos no vácuo, a amiga pena em pouso,
Eis-me, pois, a pensar... De antro em antro, de serra
Em serra, ecoa, longo, em réquiem doloroso.

No alto uma estrela triste as pálpebras descerra,
Lançando, noite adentro, o claro olhar piedoso.
A alma das sombras dorme; e pelos ares erra
Um mórbido langor de calma e de repouso...

Em noite escura assim, de repouso e de calam,
É que a alma vive a dor exulta, ambas unidas,
A alma cheia de dor, a dor tão cheia de alma...

É que a alma se abandona ao sabor dos enganos,
Antegozando já quimeras pressentidas
Que mais tarde hão de vir com o decorrer dos anos.


Nasce no dia 31 de agosto, em Xiririca (atual Eldorado) - SP
Morre em 1. de novembro, em São Paulo - SP

Obras da autora
POESIA: Mármores, 1895; Esfinges, 1903.
INFANTO-JUVENIL: Livro da infância (com Júlio César da Silva), 1899; Alma infantil (com Júlio César da Silva), 1912.

Fonte: 100 Anos de Poesia - Um panorama da poesia brasileira no século XX

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails