quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Oliver Sacks - Um antropólogo em Marte

Oliver Sacks
Um antropólogo em Marte : sete histórias paradoxais - Oliver Sacks; tradução Bernardo Carvalho. - São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

O caso do pintor daltônico, O último hippie, Uma vida de cirurgião, Ver e não ver, A paisagem dos seus sonhos, Prodígios e Um antropólogo em marte são casos clínicos extraordinários de que o neurologista nos apresenta com uma visão tendo como foco a individualidade humana e suas complexidades pois faz referência a indivíduos cujas vida, pressionadas por situações-limite (por vezes trágicas, em geral dramáticas) podendo nos levar a compreender melhor o que somos.

O caso do pintor daltônico
Relata a história do Sr. I que teve um colapso abrupto e completo da visão das cores, após um suposto acidente de carro passando a viver num mundo em preto-e-branco. Daltonismo total, raro. A partir do relato do paciente, desse sensível artista que em início de março de 1986 relata sua história em carta ao Dr. Oliver começa assim uma batalha pela compreensão das possibilidades da situação vigente e futura:
"Sou um artista consideravelmente bem-sucedido que acaba de passar dos 65 anos. No dia 2 de janeiro deste ano eu ia dirigindo meu carro quando levei uma trombada de um pequeno caminhão, do lado do passageiro. Durante a consulta no ambulatório de um hospital local, me disseram que eu tinha sofrido uma concussão. Durante o exame de vista, descobriram que eu não conseguia distinguir letras ou cores. As letras pareciam caracteres gregos. Minha visão era tal que tudo parecia visto através de uma tela de um televisor em preto-e-branco. Depois de alguns dia passei a distinguir as letras e fiquei com uma visão de águia - consigo ver uma minhoca se contorcendo a uma quadra de distância. A precisão do foco é inacreditável. MAS ESTOU COMPLETAMENTE DALTÔNICO. Procurei oftalmologistas que nada sabem sobre esse daltonismo. Procurei neurologistas - inutilmente. Mesmo sob hipnose, continuo sem distinguir as cores. Passei por todo tipo de exame. Todos os que você conseguir imaginar. "

A reflexão possível deste primeiro conto, poderia assim chamá-lo é instantânea ao que leva a refletir José Saramago no seu livro "Ensaio sobre a cegueira". É um mundo novo descortinado a partir da narrativa. Um mundo em que o ser humano poderá desfrutar, renovando percepções, novas concepções de vida possível a partir de novos ângulos. Ângulo diferente de tudo a que está acostumado, suas regras sociais, suas rotinas, tudo caindo por terra e novos valores a aflorar para que a vida continue, seja de que forma for.

Sete narrativas sobre a natureza e a alma humana, aviso o autor no prefácio, e sobre como elas colidem de formas inesperadas. As pessoas deste livro passaram por condições neurológicas tão diversas quanto a síndrome de Tourette, o autismo, a amnésia e o daltonismo total. Elas exemplificam essas condições, são "casos" no sentido médico tradicional - mas também são indivíduos únicos, cada um vivendo (e, em certo sentido, criando) seu próprio mundo.

Oliver Sacks nasceu em Londres, em 1933, e mora nos EUA, onde leciona no Albert Einstein College of Medicine (Nova York). É autor de Enxaqueca, Tempo de Despertar (que inspirou o filme homônimo com Robert de Niro e Robin Williams), O homem que confundiu sua mulher com um chapéu, A ilha dos daltônicos, Vendo vozes, Tio Tungstênio, Com uma perna só e Alucinações musicais - todos publicados pela Companhia das Letras.


sábado, 22 de fevereiro de 2014

Henry James - vida e obra

Henry James
1843 - Em 15 de abril, nasce Henry James, em Nova York.
1855 - Viaja para estudar em Genebra, Londres e Paris.
1862 - Estuda na Faculdade de Direito de Harvard.
1864 - A família muda-se para Boston. Publica seu primeiro conto: A Tragedy of Error.
1865 - Publica The Story of a Year, primeiro conto assinado.
1866 - A família transfere-se para Cambridge, Estados Unidos.
1870 - Em março recebe a notícia da morte de sua prima Minny Temple.
1875 - Publica A Passionate Pilgrim, Transatlatic Sketches e Roderick Hudson.
1877 - Publica O Americano.
1880 - Publica A Herdeira.
1881 - Publica O Retrato de uma Dama.
1882 - No mês de janeiro morre sua mãe; em dezembro morre o pai.
1884 - Publica Lady Barberina.
1886 - Publica Os Bostonianos e A Princesa Casamassina.
1890 - Publica A Musa Trágica.
1891 - É encenada Gy Domville.
1896 - Muda-se para Lamb House, em Rye, na Inglaterra.
1898 - Publica A Outra Volta do Parafuso.
1902 - Publica As Asas da Pomba.
1903 - Publica Os Embaixadores.
1904 - Publica A Taça de Ouro. Viaja aos Estados Unidos.
1905 - Publica The American Scene.
1915 - Torna-se cidadão britânico em 26 de julho.
1916 - Morre no dia 28 de fevereiro, aos 73 anos.

Não: nada de cadáveres. Nem crimes. Nem casstelos escuros. Nem sangue. Nem alçapões secretos. Nem monstros que caminham pela noite.
Não: o mistério e o pavor não dependem dessas coisas. Os fantamas, se existem, caminham à luz do dia. Quando se tem medo, é o próprio sangue que esfria nas veias. Fora dos túmulos, os cadáveres existem apenas na imaginação. E os alçapões secretos são as ciladas preparadas pelo subconsciente. A atmosfera é assustadora porque o impossível coexiste com o possível.
Imagine seu próprio medo. O homem, esse angustiado, tem imensa capacidade de temer a si próprio, criando em sua fantasia as coisas que o apavoram.
Era assim que Henry James queria: nada de histórias macabras. Para ele, os relatos de fantasmas eram a "forma mais aproximada do conto de fadas", e suas experiências fantásticas, apenas vôos da imaginação poe´tica. Henry James teve uma infância rica. O pai, também chamado Henry James, era homem de posses. Mary Robertson James, a mãe, era uma mulher de hábitos simples.
Segundo filho do casal, Henry nasceu em 15 de abril de 1843, perto de Washington Square, onde passou a infância. Em julho de 1855 a família partiu para a Europa. Durante os cinco anos seguintes, entre várias idas e vindas, as crianças frequentaram, altrnadametne, escolas européias e americanas. Em 1860 voltaram a morar nos Estados Unidos.

 

Fonte: coleção obras-primas - grandes autores - vida e obra.


sábado, 15 de fevereiro de 2014

Oliver Sacks - O Homem que confundiu sua mulher com um chapéu

Oliver Sacks
Olho a coleção de Oliver Sacks, de minha filha, Carla Guedes, a poetisa, e custo a me convencer que neste início tardio de leitura para um novo ano o autor seria a melhor opção.
Oliver Sacks leciona neurologia na Columbia University, onde ocupa também o recém-criado posto de Artista. É o autor neurologista, cientista romântico, que em seus ensaios transforma intencionalmente os relatos clínicos em artefatos literários, mostrando que somente a forma narrativa - com suas nuances  imprevisíveis, seus detalhes dramáticos, os sofrimentos e experiências de personagens singulares - restituem à abstração da doença uma feição humana, desvelando novas realidades para investigação científica e problematizando os limites ente o físico e o psíquico.
Nada animador uma leitura com foco psicológico para quem está vivenciando perdas (um pai que partiu ou um rumo de vida que está em mudança). Decido arriscar e ler o primeiro conto e tê-lo como balizador da continuidade da leitura.
Foi então que o conto O homem que confundiu sua mulher com um chapéu , mesmo nome do título do livro me pegou pelo laço.
Quanta leveza na narrativa, levando o leitor a acompanhar todo o processo por que passou seu personagem, detalhando os espaços físicos e emocionais de forma surpreendente.

Consta ainda:
Parte I - "Perdas": O marinheiro perdido, A mulher desencarnada, O homem que caía da cama, Mãos, Fantasmas, Nivelado, Olhar à direita!, O discurso do Presidente.
Parte II - "Excessos": Witty Ticcy Ray, A doença de Cupido, Uma questão de identidade, Sim, padre-enfermeira, A possuída.
Parte III - "Transportes": Reminiscências, Nostalgia incontinente, Passagem para a Índia, O cão sob a pele, Assassinato, As visões de Hildegarda.
Parte IV - "O mundo dos simples": Rebecca, O dicionário de música ambulante, Os gêmeos, O artista autista.

Olho os demais livros na estante e penso em seguir com o autor: Tempo de despertar, Enxaqueca, Com uma perna só, Alucinações musicais, A ilha dos daltônicos.

sábado, 8 de fevereiro de 2014

Jonathan Swift - vida e obra

Jonathan Swift
1667 - Em Dublin, nasce Jonathan Swift, em 30 de novembro.
1668 - É levado secretamente para a Inglaterra.
1670 - Volta à Irlanda. É entregue aos cuidados do tio Godwin.
1673 - Estuda na escola Kilkenny, em Dublin.
1681 - Ingressa na Universidade de Trinity, em Dublin.
1688 - Morre seu tio Godwin. Swift é diplomado pela universidade. Parte para Leicester, na Inglaterra.
1689 - Conhece Esther Johnson (Stella), por quem nutre profunda paixão.
1693 - Forma-se doutor em Teologia pela Universidade de Oxford.
1697 - Escreve A Batalha dos Livros.
1699 - Morre William Temple, seu suposto irmão e de quem era empregado.
1701 - Publica anonimamente Discurso sobre as Dissensões entre Nobres e Comuns em Atenas e Roma.
1704 - Publica A Batalha dos Livros e O Conto do Tonel.
1710 - Inicia o Diário a Stella. É nomeado deão da Catedral de São Patrício; em Dublin.
1713 - Escreve o poema Cadenus.
1725 - Começa a redigir As Viagens de Gulliver.
1726 - Publica As Viagens de Gulliver.
1728 - Morre Stella.
1731 - Escreve o peoma Sobre a Morte do Dr. Swift.
1738 - Publica A Conversação Polida.
1745 - Morre, surdo e louco, em 19 de outubro, em Dublin.

A infância de Jonathan Swift esteve longe de ser feliz. Abriu os olhos para a vida num escuro dia dublinense - 30 de novembro de 1667 - e não achou seu pai, morto sete meses antes. Logo vieram os comentários dos bisbilhoteiros: talvez o pequeno Jonathan não fosse filho do velho Swift, e sim de uma ligação da mãe com o nobre John Temple. Os comentários foram tantos e tão plausíveis que nunca se soube ao certo se afinal aquele Swift que fugira da Inglaterra para escapar à ditadura de Oliver Cromwell era ou não pai do Swift que, com sátiras irreverentes, abalaria o público da Europa em sua época.
Jonathan tinha um ano de idade e crescia sem muitos cuidados maternos quando sua ama o levou secretamente para a Inglaterra. O país vivia tempos agitados. Depois de onze anos de república, o Exército inglês resolvera restaurar a monarquia, entregando o governo a Carlos II, em 1660. Para evitar disputas religiosas como as que se vinham desenrolando desde a morte da rainha Elizabeth, fizeram-no assinar uma declaração prometendo anistia geral e liberdade de crença. Contudo, o rei mostrava fortes tendências ao catolicismo, provocando o desagrado de seus ministros e oficiais anglicanos.
A ama do pequeno Jonathan sentia a atmosfera cada vez mais pesada e, cerca de dois anos após sua chegada ao solo inglês, voltou com o menino para a Irlanda.
A mãe de Swift, ao contrário, desconhecendo os problemas políticos, estava ansiosa por viver na Inglaterra. Para realizar seu desejo, confiou o pequeno Swift aos cuidados de seu cunhado Godwin. O tio mandou-se estudar na escola Kilkenny e ensinou-lhe boas maneiras. Amor não lhe deu, nem carinho. Quando ele padecia de vertigens e crises de surdez, limitava-se a medicá-lo, frio e indiferente. Em 1681 matriculou-o na Universidade de Trinity, onde o sobrinho só se distinguiu pelas punições: mais de setenta em dois anos. Aborrecia-se com os compêndios. Irritava-se com os mestres. Desacreditava dos conhecimentos. Ao fim de algum tempo, a congregação deu-lhe o diploma, para ver-se livre dele.
Mesmo que não o diplomassem, Swift teria de abandonar a universidade por falta de condições econômicas. A morte do tio em 1688 privara-o de seu único esteio financeiro, e a situação caótica da Irlanda impelia-o para longe. O rei Jaime II, católico professo, já provocava o descontentamento popular antes de ser coroado. No ano de 1685, ano da morte de seu pai, os políticos ingleses dividiram-se em facções antagônicas, formando os grandes partidos britânicos: de um lado, os whigs, mais liberais, porém contrários á ascensão de um rei católico; de outro lado, os tories, conservadores, defensores da monarquia e partidários de Jaime.
Coroado em 1685, Jaime II reinaria apenas três anos; em 1688 era destronado pela chamada Revolução Gloriosa, que colocou no poder seu genro Guilherme III de Orange. Jaime asilou-se na Irlanda, católica como ele.
Swift não esprou para ver os desastres acarretados pela presença de Jaime II na Irlanda. No mesmo ano da Revolução Gloriosa foi juntar-se a sua mãe em Leicester. A situação da Inglaterra não era calma, porém Leicester era o lugar mais distante da Irlanda aonde suas economias lhe permitiam ir.
A mãe não dispunha de muito dinheiro para ajudá-lo. O rapaz tinha de procurar um emprego e sustentar-se. Valeu-lhe nessa busca antiga amizade materna com o família Temple. Sir William, estadista e escritor de grande prestígio durante o reinado de Carlos II, deu-lhe um emprego de guarda-livros em sua propriedade rural de moor Place, na Inglaterra.
Swift entediava-se no campo, dividido entre os livros de contabilidade e as leituras para sir William, do qual diziam ser irmão. Um dia, Moor Place ganhou novo encanto. Trouxe-lhe uma doce menina de oito anos: Esther Johnson, que, segundo as más línguas, era filha de William Temple com uma ama da casa - e, portanto, sobrinha de Jonathan. O possível parentesco e a diferença de idade não constituíram barreira para o desabrochar de um afeto entre o jovem e a criança. Swift amou-a até  fim da vida e a ela dedicou alguns de seus mais belos poemas. Chamou-a Stella - estrela -, fiel à moda corrente de rebatizar a amada com nome latino.

Fonte: coleção obras-primas - grandes autores - vida e obra.

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Júlio Verne - vida e obra

Júlio Verne
 1828 - Em 8 de fevereiro nasce Jules Gabriel Verne Allote, em Nantes, França.
1829 - Nasce o irmão Paul.
1834 - Júlio começa a frequentar a escola.
1841-46 - Vai para o Petit Séminaire e depois para o Liceu Royal de Nantes.
1847 - Estuda Direito em Paris.
1848 - É apresentado aos escritores Alexandre Dumas, pai e filho.
1851 - Publica Viagem num Balão.
1852-55 - Torna-se secretário do Teatro Lírico de Paris. Publica várias obras.
1857 - Em 10 de janeiro casa-se com Honorine-Ane de Vianne.
1859-1860 - Viaja à Escócia. Escreve Viagem à Inglaterra e à Escócia.
1861 - Em 3 de agosto nasce Michel, seu único filho.
1862 - Viaja à Noruega e à Dinamarca.
1863 - É publicado Cinco Semanas num Balão. Escreve Paris no Século Vinte.
1864 - Publica Aventuras do Capitão Hatteras e Viagem ao Centro da Terra.
1866 - Publica Da Terra à Lua e Os Filhos do Capitão Grant.
1868 - Viaja a Londres a bordo de seu iate Saint Michel.
1870 - Publica 20.000 Léguas Submarinas.
1871 - Morre Pierre, seu pai.
1873-74 - Publica A Volta ao Mundo em Oitenta Dias e A Ilha Misteriosa.
1878 - Entre junho e agosto faz uma viagem a Portugal.
1879-80 - Verne viaja para a Noruega, Irlanda e Escócia.
1885 - Publica Mathias Sandorf.
1887 - Em 15 de fevereiro morre Sophie, sua mãe.
1905 - Em 17 de março Júlio Verne adoece gravemente, em consequência de diabetes. Em 24 de março morre. É sepultado em Amiens.

Em 31 de janeiro de 1863, um livro de formato pequeno começa a aparecer nas prateleiras das livrarias na França. Conta a história de três viajantes, liderados por um tal dr. Fergusson, que se aventuram no coração da África viajando em um balão. Os valentes personagens da história enfrentam tribos selvagens, animais ferozes e outros perigos.
Os leitores estão perplexos, intrigados. Será fato ou ficção... Parece um autêntico diário de bordo, que inclui descrições detalhadas dos fenômenos naturais presenciados e anotações sobre longitude e latitude à medida que os exploradores avançam em sua viagem, mas as aventuras parecem fantásticas!
No jornal parisiense Le Fígaro, um comentário na coluna literária diz: "A viagem do dr. Fergusson é realidade ou não... Tudo o que se pode dizer é que é envolvente como o mais bem-escrito dos romances e instrutivo como um livro didático de ciências. Nem mesmo os grandes descobrimentos da história do mundo foram tão bem narrados".
O título desse incrível livro era Cinco Semanas num Balão, e o autor era um desconhecido chamado Júlio Verne.
Jules Gabriel Verne Allottte (seu nome de batismo) nasceu em 8 de fevereiro de 1828, em Nantes, no estuário de Líger, frança. Era o primeiro dos cinco filhos de Pierre Verne, um próspero advogado, e Sophie (Allote de la Fuye por nascimento), filha de uma família de militares. Seus irmãos eram Paul, Anne, Mathilde e Marie.
Criado numa cidade portuária, o garoto tímido vivia na marina e nas docas, observando o movimento do cais, o vaivém dos navios e das escunas, enquanto sua imaginação o transportava para portos longínquos, empoleirado no mastro de alguma embarcação. Sempre que podia, Júlio alugava um barco e passava o dia navegando nas imediações do cais. Algumas vezes Paul, o irmão um ano mais novo, o acompanhava. Mas foi numa ocasião em que estava sozinho que Júlio se viu à deriva, a cera de cinquenta quilômetros da orla, quando uma das pranchas se soltou e o barco acabou afundando. Encurralado numa ilhora, ele foi forçado a esperar que a maré baixasse para atravessar o trecho até terra firme e voltar para casa. Outro caso conta que aos onze anos, Júlio, apaixonado pelas histórias de países distantes, resolveu fugir de casa. Seu pai o teria conseguido pegar no porto de Poimboeuf, na primeira escala do navio. Pela fuga o menino receberia uma inesquecível surra. Em uma das primeiras biografias de Júlio Verne esse episódio seria romanceado, como uma tentativa do jovem Verne de viajar trabalhando de camareiro num navio mercante com destino às Índias, no qual teria chegado a embarcar clandestinamente. Teria sido resgatado pelo pai no último instante, antes de o navio zarpar. Não há evidências de que essas histórias sejam verdadeiras.
Júlio estudou em colégios católicos, e ao terminar o ensino secundário, em 1847, seu pai o enviou a Paris para estudar Direito. Nessa cidade Júlio passou a se interessar por teatro e escreveu uma peça, a comédia de um ato Les Pailles Rompues, que seria publicada em 1850. Seu pai ficou indignado quando Júlio anunciou que não queria prosseguir com os estudos e parou de lhe mandar dinheiro. Júlio então foi forçado a vender suas histórias para se sustentar. Introduzido por seu tio Châteaubourg nos círculos literários de Paris, Júlio Verne começou a publicar peças sob a influência de escritores famosos, como Victor Hugo e Alexandre Dumas (filho), a quem conhecia pessoalmente.

Em 1849 Charles Baudelaire traduziu os livros de Edgar Allan Poe para o francês. Júlio Verne tornou-se um dos mais devotados admiradores do autor americano; e em 1851 escreveu seu primeiro conto de ficção científica - Viagem num Balão, sob a influência de Poe.
Passou a trabalhar como secretário do Teatro Lírico de Paris em 1852, onde ficou por dois anos. Nesse período conheceu Honorine-Ane Hebe Freyson de Vianne de Morel, uma jovem viúva que tinha duas filhas, com a qual se casaria em 1857. Ele vivia com a mulher e as enteadas numa espaçosa residência e ocasionalmente saía para velejar. Para sustentar a família, trabalhou durante algum tempo como corretor da Bolsa de Valores, já que sua carreira de escritor progredia lentamente. Em 1861 nasceu Michel, o único filho do casal.
Em 1862 Júlio Verne conheceu Pierre Jules Hetzel,, escritor e editor de publicações infanto-juvenis, que começou a publicar a série Viagens Extraordinárias. Essa colaboração duraria até o fim da carreira de Verne. Depois de passar horas e horas nas bibliotecas de Paris estudando geologia, engenharia e astronomia, Verne publicou, em 1863, o seu primeiro romance, Cinco Semanas num Balão. O livro fazia parte da série Viagens Extraordinárias. O espetacular sucesso da obra, alcançado primeiramente na França e em seguida em vários países da Europa, rendeu-lhe um contrato de vinte anos com o editor Hetzel. Esse contrato seria alterado cinco vezes, sempre para incluir condições cada vez mais vantajosas para o escritor. Com os ganhos de suas futuras obras, Verne pode deixar seu emprego na Bolsa e dedicar-se inteiramente à literatura.
Apesar de se entregar com afinco à atividade de escrever, Verne conseguiu concluir o curso de advocacia. Foi nessa época que ele começou a sofrer de problemas digestivos, que periodicamente recorreriam até o fim de sua vida.
As histórias de Júlio Verne logo ganharam enorme popularidade no mundo inteiro. Como não era cientista nem tinha uma vasta experiência de viagens, Verne pesquisava muito para escrever seus livros. Ao contrário de outras obras de literatura de ficção, ele procurava ser realista e prático na narrativa e na descrição dos detalhes.
Outros livros vieram: Viagem ao Centro da Terra, em 1864; Da Terra à Lua, em 1866; 20.000 Léguas Submarinas, em 1870. O clássico A Volta ao Mundo em Oitenta Dias, história baseada em uma viagem real do americano George Francis Train, foi escrito em 1873. Na primeira parte de sua carreira Júlio Verne expressava otimismo com o progresso e o papel central da Europa no desenvolvimento social e tecnológico do mundo. Já nos romances seguintes, o pessimismo do autor em relação ao futuro da civilização humana refletia o clima de fatalidade de fim de século.
Escritor de imensa popularidade, Júlio Verne é considerado o pai da ficção científica, ao lado de H. G. Wells. Embora Júlio Verne não tenha sido o primeiro escritor a descrever viagens à Lua ou aventuras no fundo do mar a bordo de um submarino, suas histórias foram as primeiras desse gênero que alcançaram projeção e popularidade internacional. Escritas tanto para adolescentes quanto para adultos, geralmente em forma de diários de bordo, elas levam o leitor a embarcar em aventuras, captam o espírito aventureiro do século XIX e o fascínio incondicional pelo progresso científico e pelas invenções tecnológicas.
Júlio Verne foi considerado um visionário, uma vez que muitas de suas idéias se profetizaram posteriormente nos avanços da ciência ao longo do tempo.
Durante mais de quarenta anos Júlio Verne publicou pelo menos um livro por ano, sobre uma ampla variedade de temas. Embora escrevesse sobre lugares exóticos, ele viajou relativamente pouco - seu único vôo de balão durou apenas 24 minutos.
Em 1872 mudou-se com a família para um palacete adquirido em Amiens, cidade em que nascera sua mulher.
Em um dia de março de 1886 Júlio Verne estava chegando a casa, depois de passar a tarde no clube, quando ouviu o som de disparos. Em seguida sentiu uma dor aguda na perna esquerda. O tiro que o deixaria manco para o resto da vida fora disparado por seu próprio sobrinho Gaston - que tinha problemas mentais -, filho do irmão Paul. Uma vingança por Verne ter se recusado a lhe dar dinherio para fazer uma viagem.
Desgostoso coma a perda parcial da mobilidade, com a morte da mãe, ocorrida em 1887, e por outros motivos, sua outrora tranquila felicidade ficou abalada. Em carta dirigida ao irmão em 1894, ele se queixaria: "Tornou-se insuportável para mim qualquer alegria, o meu caráter está profundamente alterado, e recebi golpes de que nunca conseguirei me recuperar". Paul morreria em 1897, e a Júlio Verne , cada vez mais desolado, apenas restava confessar: "Quando não trabalho, deixo de sentir-me viver".
O último romance de JúlioVerne foi A Invasão do Mar, de 1905. Sua obra completa é composta por 65 romances, cerca de vinte contos e ensaios, trinta peças, alguns trabalhos geográficos e também librettos de ópera.
A antecipação científica baseada em feitos verídicos e as aventuras de personagens audazes e inteligentes foram a principal fonte dos romances de Verne, os mares e lugares inexplorados o cenário adequado para o desenrolar de suas histórias, que são uma rara combinação de inventividade e habilidade literária.
No fim da vida, com problemas de saúde, Verne já não podia ir à biblioteca, os livros eram levados até ele. Mas mantinha a rotina de escrever pela manhã e ler à tarde.
Na noite de 24 de março de 1905, em Amiens, Júlio Verne pediu um exemplar do livro 20.000 Léguas Submarinas. Perguntou pela mulher e pelos filhos, fechou os olhos e morreu, em consequência de complicações por diabetes. Foi sepultado no cemitério Madeleine, em Amiens.
Após a morte de Verne, seu filho Michel concluiu e publicou algumas das obras inacabadas do pai.


Fonte: coleção obras-primas - grandes autores - vida e obra.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails